quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Implantação da qualidade total na empresa MSG, período de muitos treinamentos

A implantação da qualidade total na MSG, nos trouxe muitos aprendizados e crescimentos pessoais porque fizemos muitos cursos.

Era curso atrás de curso, seja fora da empresa e na própria empresa.
Era muito comum, sairmos do turno e entrarmos em um curso ou estarmos no horário da noite, descermos mais cedo do serviço e voltarmos no mesmo dia a 8 horas no horário administrativo, para fazermos cursos, sobre qualidade total.
Essa prática era muito comum, de deixarmos a Mina com uma pessoa credenciada pela empresa e descermos, para no outro dia fazermos cursos seja na empresa ou mesmo fora dela.
Foi uma época de muitos cursos para os supervisores, já que tínhamos de multiplicar as informações sobre o processo de qualidade total, que diga-se de passagem requer muito comprometimento dos colaboradores.

Entrei na MSG em 18 de agosto de 1982, onde exerci várias funções na empresa, já que trabalhei até 2003, onde ela entrou em processo de exaustão, acabou o minério com qualidade.

 Exerci várias funções, dentre elas:
-Auxiliar técnico do controle de qualidade
- Técnico do controle de qualidade
- Supervisor do controle de qualidade
- Supervisor de Mina
- Gerente técnico
- Gerente operacional

# Todos essas funções em todo o período que trabalhei na empresa, nas gestões de quatro presidentes, até o fechamento da mesma no final do ano de 2003.

# Todos esses anos, trabalhei em regime de revesamentos de turnos; dia, noite, madrugada, sábado, domingo, feriados e dia santo, com sol chuva, frio, calor, cerração, etc.

# Por decisão da gestão, no inicio das atividades da empresa, supervisor batia cartão, depois passamos a bater o ponto, só uma vez por dia, seja na entrada ou durante as atividades ou no final da jornada de trabalho, com o passar do tempo assinávamos uma folha de ponto, depois extinguiram todos esses procedimentos e, passamos a não assinar mais ponto.

# Todo o período que trabalhei na empresa, de 1982 até 2003, não recebi nenhuma horas extras, diziam que a CVRD, não pagava horas extras aos seus supervisores, como aqui era uma especie de subsidiária de lá, a CVRD tinha 51% das ações da empresa, seguida de 49% de grupos japoneses, tínhamos que cumprir essas determinações.

# Quando estávamos no horário do dia, tínhamos 1 hora de almoço, mas não fazíamos o horário todo o tempo, já que sempre éramos solicitados na mina, já que a detonação era feita no horário do almoço.
O supervisor da Mina sempre auxiliava ao supervisor da detonação, seja no cerco ao fogo e nas mudanças das maquinas, tirando as mesmas das áreas do fogo.
Essa hora que trabalhávamos nos diziam; que eram compensadas futuramente, em possíveis folgas.

#Na época não tinha banco de horas na empresa, para os supervisores.

# Fazíamos reuniões constantes após a jornada de trabalho ou mesmo antes dela ou nas nossas folgas, muitas vezes passávamos o mês todo sem ter uma folga.
Dizíamos que folgávamos oportunamente e, quando desse.
Lembro-me de uma época, que entrei no site de horas trabalhadas dos funcionários e vi que tinha mais de duzentas horas positivas a mais na empresa, tempos depois essas horas tinham sumido do site, tinham sido apagadas, óbvio, pelo chefe ou pelo RH.

# Toda saída da empresa tínhamos que avisar ao nosso chefe, já que tinham que indicar outro para substituir.
Um turno de quarenta pessoas, não poderia ficar sem um lider, para comandar a equipe durante a jornada de trabalho.
já que são muitas atividades de um supervisor durante a jornada de trabalho.

Justiça europeia protege Lacoste em batalha por logomarca

O Tribunal de Justiça da União Europeia deu razão nesta quarta-feira à marca francesa Lacoste ao negar a um fabricante polonês de bolsas e roupas, Mocek e Wenta, o registro da imagem de um crocodilo como marca.
"O Tribunal Geral considera que a representação do jacaré de Mocek e Wenta pode ser encarada como uma variante da representação do crocodilo da Lacoste, representação esta última amplamente conhecida pelo público geral", indica o tribunal em um comunicado.
Consequentemente, o tribunal rejeitou o recurso de Mocek e Wenta, a quem já havia negado sua solicitação de registro ante o Gabinete de Harmonização do Mercado Interior (OAMI).
"O tribunal estima que existem riscos de confusão (...). já que o público em geral pode acreditar que os produtos sobre os quais figurem símbolos parecidos procedem da mesma empresa", afirma.
A Lacoste, fundada pelo tenista francês René Lacoste em 1933, começou a distribuição de roupas esportivas com o logo de um crocodilo, apelido que o dono ganhou nas partidas por sua tenacidade.

AFP

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Visita à cidade de Tours, no vale do Loire

 


"Fachada de casas medievais no centro de Tours"

"O Rio Loire"

"No centro histórico de Tours"

Perseguição Francesa aos Protestantes

 

Os Franceses Protestantes fugindo da perseguição religiosa foram para Berlin.
Na época foram construídas duas catedrais, uma ao lado da outra, uma Francesa e uma Alemã.
A Catedral Francesa celebra seus cultos em frances diáriamente.



" Catedral Francesa "
"Catedral Alemã"

Bela Catedral Alemã em Berlin

 

"Catedral Alemã"

Oito passos para buscar um novo emprego e virar o jogo na crise

Dados recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) revelam que a taxa de desemprego subiu no segundo trimestre deste ano e chegou a 8,3%, registrando a maior taxa da série histórica, que teve inicio em 2012.
A população desocupada, de 8,4 milhões de pessoas, subiu 5,3% frente ao primeiro trimestre de 2015 e, ante o 2º trimestre de 2014, o avanço foi de 23,5%.
Embora ninguém espere passar por isso, é cada vez mais comum notarmos o fantasma do desemprego rondando nossa rede de relacionamentos. Mas caso você seja demitido, não precisa ficar preocupado. Especialistas da Michael Page, empresa de recrutamento, garantem que tem como voltar ao mercado de trabalho mesmo em época de crise.
Passado o primeiro momento de angustia, chamado de luto demissional, é chegada a hora de reagir, afinal, a vida continua, sua carreira continua e, principalmente, as contas e responsabilidades também continuarão.
De acordo com Ricardo Rocha, headhunter da Michael Page especializado em Recursos Humanos, passam muitas dúvidas pela cabeça do profissional em uma situação como essa. “Abrir o próprio negócio, investir em uma especialização, buscar oportunidades em outro setores ou até mesmo em outros estados? Essas são apenas alguns questionamentos de executivos que perderam o emprego neste momento turbulento da economia nacional”, afirma.
O executivo precisa ter bastante clareza nos seus objetivos futuros seja em uma mudança de setor, carreira ou até mesmo na abertura do próprio negócio. A crise, apesar da dificuldade momentânea, pode ser a oportunidade ideal para os profissionais buscarem novas posições ou se lançarem em projetos pessoais.
Confira o “manual da sobrevivência” elaborada pela empresa com oito dicas imprescindíveis para profissionais que buscam uma recolocação no mercado de trabalho:

1- Posicionar-se corretamente no Linkedin
Quanto mais ativo o executivo é no Linkedin (fóruns, grupos de discussão, indicações de vagas), mais fácil é descobrir caminhos e conexões interessantes, que podem funcionar como uma ponte para uma oportunidade profissional. Solicitar uma apresentação através de um contato é mais efetivo do que abordar diretamente um profissional fora de sua rede. Cuidado também ao se candidatar para todo tipo de vaga, inclusive aquelas para a qual não tenha os requisitos necessários, apenas para abrir um contato com RH/requisitante: isso pode sinalizar desespero ou até mesmo falta de confiança no real interesse do profissional.

2- Networking
Manter o networking ativo não pode ser uma prática exclusiva de momentos de desemprego ou dificuldade. Na verdade, a maneira como o executivo se porta nos bons momentos profissionais em relação a sua rede de relacionamentos, poderá determinar a ajuda ou indicações que receberá quando estiver enfrentando uma situação assim. Caso o executivo necessite reativar seu networking, deve num primeiro momento dividir sua situação com pessoas do círculo mais próximo. Sair disparando contatos para pessoas que não são próximas pode ser inócuo e “queimar” um contato potencial.

3- Investir em especialização
Do ponto de vista dos recrutadores/empresas, é importante perceber se o profissional procurou se manter atualizado durante o período em que estiver buscando recolocação. Procure investir em especializações que possam complementar seu conhecimento ou que supram algum “gap” profissional.

4- Olhar para outros setores
O período de transição profissional pode ser um bom momento para pesquisar a fundo sobre outros setores que tenha interesse de trabalhar, e quais são os requisitos e conhecimentos necessários, desde que o executivo tenha claro no que esta mudança irá agregar em termos de carreira. Vale ressaltar que para uma recolocação, é sempre mais fácil buscar oportunidades onde o profissional já tenha experiência.

5- Abrir o próprio negócio
A decisão de empreender não pode ser somente uma consequência de um desligamento do profissional. Apesar do momento ser propício para mudar o rumo de carreira, deve ser uma decisão planejada, com um plano de negócios claro, para evitar uma frustração ainda maior caso o negócio não dê certo, e também não gastar dinheiro indevidamente em um momento onde o profissional precisa planejar suas reservas financeiras. Por outro lado, para executivos que já cultivavam este pensamento, pode ser o momento ideal para dedicar-se integralmente a um projeto empreendedor, já que muitos negócios também fracassam prematuramente, quando não há tempo nem dedicação suficientes.

6- Frequentar eventos
Esta á uma excelente ação, complementar ao networking. Participar de eventos e palestras relacionados a sua área de atuação, faz com que o profissional se mantenha atualizado e com possibilidade de acesso a outros executivos que não façam parte de sua rede de contatos.

7- Procurar headhunter
É muito importante manter contato com headhunters, pelo fato destes profissionais terem acesso as principais vagas do mercado, que muitas vezes não são divulgadas publicamente. Por outro lado, cabe o mesmo princípio do networking: a construção do relacionamento com um headhunter ao longo do tempo é mais efetiva do que a procura somente em momentos de desligamento, afinal, quanto maios familiarizado o headhunter estiver sobre suas experiências, maiores as chances de considera-lo para um projeto alinhado com seu perfil. Procure ser objetivo nos contatos - lembre-se que um headhunters analisa diversos profissionais por dia - e não ser insistente ou repetitivo nas abordagens. A entrevista pessoal é muito mais adequada para explicar detalhes de sua carreira do que um e-mail.

8- Oportunidade em outros estados/países
Decisões que envolvem questões pessoais também precisam ser muito bem avaliadas, para que não sejam precipitadas e motivadas pelo desemprego. Obviamente, cada um sabe o quanto o lado financeiro pesa em um momento como esse, mas vale sempre considerar a questão de adaptação (própria e da família) a uma nova cultura.Uma recolocação mal planejada e curta, pode ter impactos negativos no currículo do profissional. De qualquer maneira, é um momento onde o profissional deve estar mais aberto e atento para esse tipo de oportunidade, que pode representar uma oportunidade profissional diferenciada, que irá torná-lo um profissional mais completo: que toma riscos, que não se acomoda, que busca o novo e de maior adaptabilidade.

InfoMoney

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

O Muro de Berlim, faz 25 anos que ocorreu a queda do muro

 

 Em 1961, durante a guerra fria foi erguido o muro de Berlim para separar a parte que ficou sob a administração da União Soviética, das partes que ficaram sob a administração dos Estados Unidos, Inglaterra e França.
De um lado ficou a Alemanha Oriental do outro lado a Alemanha Ocidental.
O muro de Berlin era protegido por cães, policiais e cercas eletrificadas, tinha 156 km de extensão e cerca de trezentas torres militares, para observação nos seus arredores.
Tal estrutura não separou somente o território alemão, mas dividiu famílias. Além do aspecto ideológico da construção, havia o objetivo de impedir a fuga de cidadãos para a Alemanha Ocidental.
Das pessoas que tentaram atravessar o muro, 80 delas morreram.
Assim nasceu o muro de Berlin, que separou o povo de um país por 28 anos.
De 13-08-1961 à 09-11-1989.
 
"Pé esquerdo na parte da ex-Berlin Oriental e pé direito na parte da ex-Berlin Ocidental.
Em toda Berlin, onde existia o Muro, tem uma marca no chão. De um lado era Berlin Oriental e do outro lado era Berlin Ocidental".

 

 
O Pavoroso Mauer
 
Na manhã bem cedo do dia 13 de agosto de 1961, a população de Berlim, próxima à linha que separava a cidade em duas partes, foi despertada por barulhos estranhos, exagerados. Ao abrirem suas janelas, depararam-se com um inusitado movimento nas ruas a sua frente. Vários Vopos, os milicianos da RDA (República Democrática da Alemanha), a Alemanha comunista, com seus uniformes verde-ruço, acompanhados por patrulhas armadas, estendiam de um poste a outro um interminável arame farpado que alongou-se, nos meses seguintes, por 37 quilômetros adentro da zona residencial da cidade. Enquanto isso, atrás deles, trabalhadores desembarcavam dos caminhões descarregando tijolos, blocos de concreto e sacos de cimento. Ao tempo em que algum deles feriam o duro solo com picaretas e britadeiras, outros começavam a preparar a argamassa. Assim, do nada, começou a brotar um muro, o pavoroso Mauer, como o chamavam os alemães.

Porque a Alemanha é diferente, qual o segredo!

1. Por que confiar na Alemanha?
O hábito de economizar faz parte da cultura alemã. A poupança das famílias equivale a 11,3% do PIB, bem acima dos 4,5% do Brasil e da maioria dos países ocidentais. O sociólogo e economista alemão Max Weber, em 1905, associou essa obstinação em trabalhar e acumular, assim como a aversão ao perdularismo, à ética protestante. Mas isso não significa que os bancos e o governo sejam especialmente prudentes. Quatro grandes bancos alemães já precisaram de ajuda governamental para não quebrar na atual crise (alguns deles ainda devem precisar de novo socorro). O governo também andou fora da linha. “Entre 2000 e 2009, só em cinco anos o deficit da Alemanha ficou dentro do limite de até 3% do PIB, estabelecido pela Zona do Euro. A Finlândia e a Suécia trabalham com deficits menores”, diz o economista Hartmut Sangmeister, da Universidade de Heidelberg. Os credores confiam no governo em Berlim não porque ele exiba situação financeira impecável, mas pela resolução e rapidez com que ele age, quando necessário.
O gasto público já vinha sendo restringido e crescia em ritmo inferior ao do conjunto da economia desde 2004. Em 2010, por causa da crise, o governo aumentou o esforço, com aumentos de impostos (a competitividade do país é organizada para resistir a esses impactos) e cortes de gastos (as medidas incluem a demissão de 15 mil funcionários públicos). Graças ao esforço de sobriedade, a dívida pública está em queda mais rápida que a esperada, e o saldo negativo das contas voltou para abaixo dos 3% do PIB.
 
2. Como os alemães mantêm os empregos?
Depois da reunificação, em 1990, a Alemanha teve de fechar empresas ineficientes da metade comunista. O nível de desemprego aumentou e chegou a picos de 12% da população ativa. Nos últimos anos, porém, o índice passou a cair e, em dezembro, chegou a uma baixa recorde de 6,8%, mesmo durante a crise no continente.
Os economistas Michael Burda, da Universidade Humboldt, de Berlim, e Jennifer Hunt, da Universidade McGill, no Canadá, listaram algumas explicações. Antes da crise, as empresas alemãs já mostravam comedimento – contratavam devagar e davam aumentos que acompanhavam os ganhos de produtividade. Esses dois fatores já inibiriam as demissões. Mas os alemães conseguiram reduzir o desemprego durante a crise – mesmo com cortes de gastos públicos, que normalmente esfriam a economia – também por causa da reforma trabalhista, iniciada em 2003. Os contratos se tornaram mais flexíveis, para contemplar, por exemplo, empregos por tempo determinado. Os “bancos de horas” se tornaram difundidos e são levados muito a sério – horas trabalhadas a mais, até certo limite, podem ser convertidas em horas de folga futuras, o que dá flexibilidade às empresas para produzir menos sem demitir. A poderosa indústria alemã não defendeu sozinha o emprego no país. “A Alemanha criou no setor de serviços muitos empregos flexíveis, com meia jornada”, diz o sociólogo alemão Werner Eichhorst, diretor do Instituto de Estudos do Trabalho, em Bonn. A mão de obra alemã ainda se beneficia de uma ótima educação, que produz um grande número de trabalhadores altamente produtivos e especializados – valorizados pelas empresas.

3. Como eles resistem à China?
O saldo comercial positivo da Alemanha com o resto do mundo – o que o país recebe pelas exportações, menos o que paga pelas importações – foi de € 154 bilhões em 2010. No mesmo período, o saldo do Brasil foi de um décimo desse total, e os Estados Unidos tiveram saldo negativo equivalente a € 390 bilhões. O resultado impressionante da Alemanha foi obtido no comércio com 234 países e territórios, ou seja, o mundo inteiro. E decorre, principalmente, de dois fatos.
Primeiro, grande parte da indústria da Alemanha ainda consegue evitar a concorrência chinesa, porque exporta bens intermediários – aqueles comprados por empresas, não por indivíduos. Enquanto o resto do mundo tenta, em vão, competir com a China na produção de calçados, roupas, brinquedos, eletroeletrônicos e bugigangas em geral, os alemães correm por fora, abastecendo o planeta com produtos químicos, turbinas, geradores, máquinas pesadas e tudo mais que seja necessário para colocar uma fábrica em funcionamento (itens desse tipo correspondem a quase metade da exportação alemã). Por causa da expansão das empresas em países como China e Brasil, a demanda por esses produtos fora da Zona do Euro cresceu 25% no ano passado, segundo a economista Dorothea Lucke, do Instituto Alemão de Pesquisa Econômica.
A fórmula não é à prova de falhas, já que a China também avança rapidamente para a produção de máquinas industriais. A economia alemã conta, no entanto, com um segundo trunfo: o país reúne muitas empresas pequenas e médias, que empregam muitas pessoas e são ágeis para se adaptar às circunstâncias. “As pequenas e médias empresas na Alemanha são muito fortes, muito competitivas. Elas trabalham sempre de olho no mercado global, para exportar”, afirma Antônio Corrêa de Lacerda, coordenador do Comitê de Economia da Câmara Brasil-Alemanha e economista-chefe da Siemens.
 
4. Como a Alemanha mantém os benefícios sociais?
O império alemão criou, a partir de 1883, direitos como seguro-invalidez e aposentadoria por idade. Hoje, o sistema inclui auxílios de custo para moradia, educação e cuidados infantis. Para sustentá-los, a carga tributária da Alemanha supera os 40% do PIB. Manter as contas do país sob controle exigiu que o sistema evoluísse. Ele chegou a consumir 33% do PIB. Hoje está perto de 26% e em avaliação – os programas sociais devem perder mais € 40 bilhões até 2014. A mudança leva em conta o envelhecimento da população. O limite mínimo de idade para aposentadoria começa a aumentar em 2012, um mês por ano, até chegar a 67 anos em 2035. O gasto com serviços de saúde sobe mais lentamente que nos demais países ricos devido a uma reforma aprovada em 2007 – antes da crise global. Para um povo com fama de inflexível, os alemães, quem diria, têm se mostrado mestres do jogo de cintura.

Época

Dilma diz na ONU que Brasil não possui problemas estruturais e tem como superar dificuldades

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira, em discurso na Assembleia-Geral da ONU, que o Brasil atravessa problemas conjunturais, e não estruturais, e tem condições de superar as dificuldades, pois a economia é mais forte do que há alguns anos.
Primeira chefe de Estado a discursar na 70ª Assembleia-Geral, Dilma dedicou parte de sua fala à política de ajuste fiscal adotada pelo governo para equilibrar as contas públicas, que, segunda ela, vai garantir a retomada do crescimento.
"Propusemos cortes drásticos de despesas e redefinimos nossas receitas. Todas essas iniciativas visam reorganizar o quadro fiscal, reduzir a inflação, para consolidar a estabilidade macroeconômica, aumentar a confiança na economia e garantir a retomada do crescimento com distribuição de renda", disse na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York.
Em meio a um quadro de recessão econômica e crise política, Dilma disse que o país tem condições de superar as dificuldades atuais, pois conta com uma economia "mais forte, sólida e resiliente do que há alguns anos". Segundo a presidente, o Brasil não tem problemas estruturais graves, mas sim conjunturais.
Dilma, no entanto, afirmou que a política econômica que vinha sendo adotada no país se esgotou por fatores internos e externos.
"Por seis anos, adotamos um amplo conjunto de medidas reduzindo impostos, ampliando o crédito, reforçando o investimento e o consumo das famílias. Esse esforço chegou a um limite tanto por razões fiscais internas como por aquelas relacionadas ao quadro externo", disse
Dilma também fez menção em seu pronunciamento ao combate à corrupção, dizendo que não é tolerada pelo governo nem a sociedade, e defendeu as conquistas democráticas no país.
"Queremos um país em que os governantes se comportem rigorosamente segundo suas atribuições, sem ceder a excessos. Em que os juízes julguem com liberdade e imparcialidade, sem pressões de qualquer natureza e desligados de paixões político-partidárias, jamais transigindo com a presunção da inocência de quaisquer cidadãos", afirmou.
 
REFORMA DA ONU E REFUGIADOS
No discurso, Dilma também reiterou apelo feito anteriormente em defesa de uma reforma no Conselho de Segurança da ONU para promover a inclusão de novos países membros, permanentes e não permanentes -uma antiga demanda do governo brasileiro-, e fez menção à crise de refugiados no mundo.
"Em um mundo onde circulam, livremente, mercadorias, capitais, informações e ideias, é absurdo impedir o livre trânsito de pessoas", disse a presidente, em referência à atual crise de refugiados sírios e de outros países em guerra no Oriente Médio e norte da África.
(Texto de Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

Reuters

De cada R$ 3 recebidos por PT, PSDB e PMDB, R$ 2 são pagos por empresas

Principal combustível das campanhas eleitorais no Brasil, as contribuições financeiras de empresas também são as maiores responsáveis pelo custeio das máquinas dos grandes partidos. Somados, os diretórios nacionais do PT, do PMDB e do PSDB receberam R$ 2 bilhões em doações de pessoas jurídicas entre 2010 e 2014, em valores atualizados pela inflação. Isso representa dois terços de tudo o que entrou nos cofres das três legendas naquele período de cinco anos.
Essa fonte de receitas está prestes a secar. No dia 17, o Supremo Tribunal Federal não apenas decidiu que o financiamento empresarial de campanhas é inconstitucional, mas também derrubou os artigos da Lei dos Partidos Políticos que permitem contribuições privadas às legendas.
Com essa permissão legal, os tesoureiros dos partidos vinham arrecadando recursos de empresas mesmo em anos não eleitorais. Em 2011 e 2013, por exemplo, nada menos que R$ 205 milhões foram doados às três maiores legendas do País.
As prestações de contas entregues à Justiça Eleitoral mostram que os partidos usam parte dos recursos recebidos de pessoas jurídicas para custear pagamento de salários, aluguéis de imóveis, viagens de dirigentes, material de consumo e até despesas com advogados.
Mas o dinheiro que financia campanhas também transita pelas contas das legendas, e não só pelos comitês eleitorais. Nos anos em que os eleitores vão às urnas, os três maiores partidos recebem de pessoas jurídicas, em média, seis vezes mais do que em anos não eleitorais.
No ano seguinte ao de uma eleição, os recursos doados às legendas também podem servir para pagar dívidas de campanhas - o que constitui uma modalidade indireta de financiamento eleitoral, que não aparece nas prestações de contas dos candidatos.
Em 2013, por exemplo, o PT nacional enviou R$ 67,5 milhões, em valores atualizados, para centenas de diretórios municipais do partido. No ano anterior, esses diretórios haviam custeado as campanhas dos candidatos a prefeito, e muitos terminaram a tarefa endividados.
Não há como contabilizar quanto dos recursos usados pelo PT nacional para irrigar suas instâncias municipais veio de empresas, nem a identidade dos doadores. A prestação de contas indica apenas que esse dinheiro não saiu do Fundo Partidário, mas do caixa intitulado “outros recursos” - onde entram doações de empresas e pessoas físicas, contribuições de filiados e outras fontes menores.
Ou seja, uma empresa que fez uma doação ao PT em 2013 pode ter contribuído indiretamente para pagar a campanha de um candidato do partido em 2012, sem que isso aparecesse na contabilidade do candidato - trata-se de mais de uma modalidade de “doação oculta”, em que o vínculo entre financiador e financiado fica invisível. Para complicar ainda mais esse rastreamento, as prestações de contas das doações recebidas em 2013 só foram feitas em 2014 - dois anos depois da eleição municipal.
O PSDB também fez repasses a diretórios municipais em 2013, mas em volume bem menor: pouco mais de R$ 1 milhão.

Contabilidade
Para avaliar o peso das contribuições empresariais no financiamento dos partidos, o Estadão Dados analisou as prestações de contas do PT, do PMDB e do PSDB desde 2010. Foram contabilizados apenas os recursos recebidos pelos diretórios nacionais - empresas também podem doar diretamente a candidatos ou às instâncias estaduais e municipais das legendas, mas nem todas têm suas prestações de contas publicadas.
No total, os três maiores partidos arrecadaram quase R$ 3 bilhões de 2010 a 2015. Além dos R$ 2 bilhões oriundos de empresas, a segunda fonte mais importante foi o Fundo Partidário, formado por recursos públicos: R$ 743 milhões, o equivalente a 25% do total.
As doações de pessoas físicas para os três partidos somaram cerca de R$ 47 milhões - apenas 1,6% do total das receitas.
Na divisão por partidos, o PT foi o principal beneficiário das doações das empresas: recebeu R$ 967 milhões, ou 48% do total. Em segundo lugar, apesar de não ter lançado candidato a presidente em 2010 e em 2014, aparece o PMDB, com R$ 539 milhões (27%). A seguir vem o PSDB, com R$ 498 milhões (25%).
As prestações de contas do PT estão assinadas pelo ex-tesoureiro João Vaccari Neto, que está preso. Ele foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro - investigações da Polícia Federal e do Ministério Público, no âmbito da Operação Lava Jato, indicaram que propinas de empreiteiras eram canalizadas ao partido na forma de doações oficiais.

Estadão

domingo, 27 de setembro de 2015

Paris retira carros das ruas por um dia

Por um dia, o centro de Paris se tornou um oásis para pedestres. Uma iniciativa da prefeita Anne Hidalgo fechou muitos bairros da capital francesa para carros, das 11h às 18h (hora local), deste domingo (27/09).
As áreas sem tráfego também incluíram muitos pontos turísticos, como a Avenida Champs-Élysées, a Praça da República e da Bastilha e a área ao redor da Torre Eiffel e do Bosque de Boulogne, entre outros.
Ônibus, ambulâncias, viaturas da polícia, carros de bombeiro, táxis e alguns veículos de entregas, no entanto, ainda foram permitidos.
A proibição afetou principalmente a parte central da cidade. O tráfego circulou em muitos outros bairros afastados. A polícia montou postos de controle para garantir a observância da proibição dentro da área estipulada.
Hidalgo afirmou querer provar que a cidade poderia continuar funcionando mesmo sem o tráfego de automóveis.
O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, e seus colegas de pasta de Bruxelas e Bristol estiveram presentes à abertura da iniciativa.

Metrópole congestionada
A capital francesa é regularmente afetada pela poluição e smog. No passado, o tráfego de automóveis já foi reduzido por proibições parciais. Após uma nuvem de fumaça pairar sobre a cidade durante uma semana, a cidade implementou rodízios em março passado.
O evento em prol da mobilidade sustentável acontece apenas dois meses antes de Paris sediar a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, que tentará alcançar um acordo vinculativo histórico para que todos os países do mundo tomem medidas para combater as causas e efeitos da mudança climática global.

dw.com

Ex-porta-voz de Lula diz que o PT está no pior momento em 35 anos

O cientista político defendeu que Dilma se sente com Fernando Henrique Cardoso e Lula para costurar um acordo nacional

Agência Globo | 27/09/2015 - 16:50


Ex-porta-voz de Lula e autor da tese de que o lulismo foi sustentado eleitoralmente pelos mais pobres, o cientista político da USP André Singer, de 57 anos, afirma que essa “base fundamental despencou” na esteira da crise econômica.

Segundo Singer, o PT enfrenta uma contradição essencial ao apoiar um governo que não o consulta e cujas políticas atentam contra os trabalhadores.

O cientista político defendeu que Dilma se sente com Fernando Henrique Cardoso e Lula para costurar um acordo nacional.

Em sua casa na capital paulista, Singer afirmou que o PT está no pior momento em 35 anos de existência.

A camiseta puída e manchada do partido que a empregada doméstica de Singer vestia na última sexta-feira (25/9), durante a entrevista, parecia metáfora do cenário difícil descrito pelo pensador para a legenda.

Ele acaba de publicar o artigo “Cutucando onças com varas curtas”, na revista “Novos Estudos”.

Por que o artigo chama “Cutucando onças com varas curtas”?
A ideia do artigo é mostrar a corajosa ofensiva desenvolvimentista de Dilma no primeiro mandato. Ela optou por uma estratégia diferente daquela que o ex-presidente Lula tinha mantido até então e explicitou um confronto com o setor financeiro. A minha tentativa no artigo é de resgatar essa história para mostrar que ao final do percurso, ao chamar o ministro Joaquim Levy para a pasta da Fazenda, ela entregou todos os pontos para aqueles que ela procurou confrontar no primeiro mandato. Nesse sentido, ela foi vencida e acabou tendo que desmentir tudo o que havia dito até então, uma posição humilhante.

Dilma ganhou a eleição prometendo manter direitos trabalhistas e aumentar programas sociais mas agora promove ajuste fiscal. Ela mentiu na campanha?
Não sei se mentiu, mas adotou uma conduta de campanha errada. Eu suponho que Dilma tivesse uma visão geral sobre a situação do país e as condutas que ela teria que tomar no segundo mandato. Embora isso evidentemente fosse cobrar um preço eleitoral, teria sido melhor que ela tivesse explicitado a situação na campanha. Dizer que vai fazer uma coisa e fazer o contrário, que é o que está acontecendo agora, cobra um preço muito alto, porque uma parte dos eleitores não perdoa esse tipo de virada. Isso já aconteceu na gestão do ex- presidente Sarney e na reeleição do ex-presidente Fernando Henrique. Dilma não deveria ter feito isso. Ela e o PT estão pagando um preço.

O PT está escanteado?
O PT não tem sido ouvido pelo governo, não foi ouvido quando foi decidida essa política e continua não sendo ouvido. Considero um erro sério.

Como explicar que Levy, que o PT critica, dite a política econômica?
Acho que a presidente fez um movimento para recuperar a confiança da burguesia brasileira e do capital internacional. Foi um erro, mas talvez seja impossível gerenciar a economia de um país sem pontes com ao menos parte do empresariado. Mas, como resultado, estamos na maior recessão dos últimos 20 anos, o custo social é imenso.

Como vê o futuro do PT?
O PT não vai acabar, é uma estrutura muito sólida, enraizada na sociedade brasileira e vai continuar a ser um partido importante. No entanto, está no momento mais difícil em 35 anos de história pela combinação de dois fatores. Primeiro por estar sendo obrigado a apoiar um programa de governo contra os trabalhadores. Como o próprio nome diz, o partido foi fundado para representar os trabalhadores, não para prejudicá-los. Em segundo lugar, a Operação Lava-Jato está revelando cifras de desvios assombrosas. Não obstante os reparos que possam ser feitos à Operação, uma vez que determinadas denúncias vem à tona, o partido precisa responder a essas denúncias de maneira convincente. É preciso oferecer uma narrativa do que aconteceu ao eleitorado. E, se for o caso, afastar ao menos temporariamente aqueles que estão sendo denunciados, até que tudo se esclareça.

Como isso afeta o partido?
O lulismo está ameaçado de perder a sua base eleitoral fundamental, o subproletariado. As pesquisas mostram que a faixa de renda até dois salários mínimos familiares aprovava o governo Dilma em 50% em dezembro de 2014. Essa taxa caiu para 10% em agosto de 2015. Quarenta pontos percentuais é uma enormidade. Literalmente despencou a base fundamental do lulismo. O ex-presidente Lula tem ainda um capital político importante, mas é possível que isso também seja perdido se essa situação não for interrompida. Já a base tradicional do partido, a classe trabalhadora organizada, continua firme com o partido. Mas pode perder se o partido não requalificar a sua relação com o governo. Sobre eleições, a situação muda dia a dia, mas o que se pode prever hoje são eleições municipais muito difíceis, com eventual diminuição do tamanho do partido.

O senhor acha que Dilma está dilapidando o legado lulista?
Não acho que ela esteja dilapidando, mas a política que foi adotada (por Dilma) está ameaçando o que foi construído no período Lula. Nesses primeiros nove meses de 2015 houve um retrocesso, mas esse retrocesso ainda pode vir a ser muito maior. É urgente interromper esse processo.

O senhor vê elementos para um processo de impeachment?
Não, porque não há crime praticado pela presidente. O impeachment é um elemento constitucional e a discussão é válida. Neste momento é imprevisível saber o que vai acontecer. É claro que há um movimento que busca o impeachment. Eu lamento muito, mas sou obrigado a reconhecer que já há setores do PSDB e PMDB organizados em torno da ideia, essas forças estão adotando postura golpista. É um golpe branco, porque os militares já foram retirados da cena política há tempos.

Como Dilma pode reagir?
Ela apresentou uma série de medidas econômicas coerentes, embora eu não seja simpático a elas. E está tentando viabilizá-las. Ela deveria tomar uma iniciativa maior, de propor um acordo nacional mais amplo, inclusive com a oposição. O Brasil é um país hiper presidencialista, Dilma deveria sentar para conversar com Fernando Henrique, Lula e Michel Temer para encontrar pontos mínimos de acordo que possam estabelecer um horizonte de médio prazo.

Como vê a atuação de Temer?
Não acredito que ele esteja nesse movimento golpista, mas acho que ele não poderia ter feito as declarações que fez e nem ter se retirado da articulação política.

iG

Visita ao Castelo de Chambord no Vale do Loire

Localizado no vale do Loire a 200 Km de Paris.
O castelo de chambord, possui a arquitetura que fez dele o castelo de todos os exageros.
Com 156 metros de comprimentos, 56 metros de altura, 77 escadas, 282 chaminés e 426 divisões.
Contudo, apesar de suas dimensões colossais, o castelo seduz sempre pela sua beleza, graça e pelo seu equilíbrio.
A sua ornamentação é uma das obras-primas da renascença francesa.
Está inscrito na lista do patrimonio mundial da unesco.
O vale do Loire, onde ele está localizado, é uma das regiões mais bonitas da França.






Castelo de Chambord, no Vale do Loire.
Nesse Castelo foram gravados alguns capítulos de uma novela da globo.

A Música na Europa

 

Na Europa, nas cidades que visitei a música tem sempre um lugar especial.


"A música em uma praça de Berlin, próximo a um teatro."


" A música em uma esquina em Berlin."

domingo, 20 de setembro de 2015

Professor Europeu visita Blogueiro

O Prof. Dr. Jean-Christophe Merle, que leciona Filosofia na Universidade de Vechta-Alemanha, visitou este Blogueiro, no fim de semana passado.
Durante almoço oferecido ao Professor, o Blogueiro e o Docente conversaram sobre temas diversos, incluídas questões referentes à crise brasileira e à chegada dos refugiados na Europa.

Abaixo, foto que registra o encontro, tirada na casa do Blogueiro, em Itabirito, após o almoço.



sábado, 19 de setembro de 2015

A crise e o "avião Brasil"

Alguns querem comparar a crise brasileira a um grande avião que atravessa uma área com turbulência forte, que pode derrubá-lo.
Como se sabe, um avião que transporta passageiros possui piloto, copiloto, comissários de bordo e passageiros, que ocupam a classe econômica, a classe executiva ou a primeira classe.
Geralmente, e infelizmente, quando ocorre um desastre aéreo todos morrem, do piloto ao último passageiro da classe econômica.
Mas e o "avião Brasil"? O que ocorre quando ele atravessa uma turbulência e, sobretudo, o que acontecerá caso o avião comece a cair?
Com o piloto, copiloto e tripulação, acontecerá nada. Caia o avião com o piloto original e sua equipe, ou seja, copiloto e tripulação, ou com outro piloto, que venha a substituí-lo, e sua equipe, a queda do avião não implica morte do piloto. Quando muito ele será compulsoriamente aposentado, mas enquanto as famílias choram a morte dos passageiros, sobretudo os da classe econômica, o piloto estará curtindo a vida anônima pós-aposentadoria, de forma bem tranquila...
A queda do avião pode gerar algum transtorno aos passageiros da classe executiva e da primeira classe, pois afinal, terão que tomar providencias para não caírem juntos com o avião Brasil, mas, certamente, eles não perecerão... Eles possuem paraquedas evoluídos...
Portanto, quem realmente cai quando cai o avião Brasil? Claro, os passageiros da classe econômica!
Pode ser que todos, piloto, copiloto, tripulação e passageiros, sofram com a turbulência e eventual queda do avião, mas os efeitos são diferentes para cada um deles.
No momento atual o avião não voa em céu de brigadeiro, todos sabemos. O piloto e sua tripulação escolheram a rota errada. Cabe perguntar, não deveria o piloto agora pedir ajuda para traçar nova rota?
Os cientistas brasileiros, sobretudo os economistas, podem apontar uma solução para essa crise.
A saída da crise, ou seja, superar a turbulência e não cair, exigirá do piloto a humildade de convocar especialistas para traçar nova rota, e a vontade política para seguir o rumo traçado.
O piloto precisa ter a humildade de perceber que sua função não é pilotar o avião por pilotar, mas sim conduzir o avião seguramente ao seu destino.

Cristóvão Martins Torres

A encantadora Torre Eiffel



 A Torre Eiffel é o monumento pago mais visitado do mundo, com 324 metros de altura e 10.000 toneladas de estruturas de aço.
Foi projetada pelo engenheiro francês Gustave Eiffel.
Foi construida para comemorar os cem anos da Revolução Francesa, onde foi inaugurada em 31 de março de 1889.
Abaixo algumas fotos deste Blogueiro em sua visita ao famoso monumento.

 Na foto acima, o Blogueiro com a Torre Eiffel ao fundo

 Vista panorâmica de Paris, a partir do último nível da Torre (Rio Sena, que corta Paris, ao fundo, à direita)

 
Nos restaurantes as reservas tem que ser feita com antecedência.A reserva é feita por toda a noite, para que as pessoas possam desfrutar de seu jantar e saborear um bom vinho com tranquilidade, deixando os seus sentidos serem absorvidos pela romântica e inspiradora atmosfera parisiense.De címa da torre durante a noite, devido a iluminação da cidade de París, o cenário é deslumbrante, indescritível, chega ser muito emocionante.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Grande Teórico do Direito e Constitucionalista Alemão visita Itabirito

 
A caminho de Ouro Preto, Robert Alexy, considerado hoje um dos maiores teóricos do Direito Constitucionalista do mundo, visitou Itabirito, tendo almoçado na casa deste Blogueiro.
Alexy esteve em Belo Horizonte para participar do "Congresso Brasil-Alemanha de Teoria do Direito e Direito Constitucional: Conceito e Aplicação do Direito em Robert Alexy", realizado na Faculdade de Direito da UFMG, bem como para receber o título de Doutor Honoris Causa pela referida Universidade.
 
 
Robert Alexy e Cristóvão Torres, na residência do blogueiro, após almoço oferecido por este ao eminente Jurista alemão. Ao fundo uma tela da terra natal do blogueiro, a querida São Domingos do Prata

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Isso Também Passa !

 

Chico Xavier costumava ter em cima de sua cama uma placa escrita:
“ISSO TAMBÉM PASSA”.

Aí perguntaram para ele o porquê disso.

E ele disse que era para se lembrar que quando estivesse passando por momentos difíceis, poder se lembrar de que eles iriam embora. Que iriam passar. E que ele teria que passar por aquilo por algum motivo.
Mas essa placa também era para lembrá-lo que quando estivesse muito feliz, não deixar tudo para trás e se deixar levar, porque esses momentos também iriam passar e momentos difíceis também viriam de novo.

E é exatamente disso que a vida é feita: “MOMENTOS”. Momentos os quais temos que passar, sendo bons ou não, para o nosso próprio aprendizado.
Por algum motivo nunca esquecendo do mais importante: NADA É POR ACASO.
Absolutamente nada. Por isso temos que nos preocupar em fazer a nossa parte, da melhor forma possível.
A vida nem sempre segue o nosso querer, mas ela é perfeita naquilo que tem que ser.”

Chico Xavier

Conheça os 17 alimentos que ajudam a viver mais

Alguns alimentos são conhecidos por ajudarem no combate aos efeitos da idade, como os antioxidantes, que auxiliam no combate a doenças cardíacas e até mesmo alguns tipos de câncer. Incluir alguns alimentos na dieta pode fazer com que você tenha uma vida não só mais duradoura, mas também mais saudável.
O Brasil Post fez uma seleção de 17 alimentos que, por suas propriedades nutricionais, os cientistas classificaram como excelentes fontes de substanciais que auxiliam a ter uma vida mais longa.
 
1 - Chocolate amargo: rico em flavonóides e antioxidantes, que ajudam a reduzir a inflamação e prevenção de coágulos sanguíneos.
2 - Brócolis: vegetais crucíferos, como brócolis, contêm químicos que previnem o câncer como o sulforafano.
3 - Nozes e castanhas: quem consome nozes sofre menos risco de morrer de doenças como diabetes e câncer.
4- Beterrabas: ricas em betaína que também está associado aos poderes dos anti-inflamatórios.
5 - Tomates: boa fonte de vitamina C, tomates apresentam valores suficientes de um antioxidante chamado licopeno.
6 - Frutas Vermelhas: este tipo de frutas possui uma quantidade poderosa de antioxidantes que ajudam a proteger contra o envelhecimento.
7 - Azeite de oliva: gorduras saudáveis deste óleo ajudam a combater a degeneração cognitiva relacionada com a idade.
8 - Salmão: rico em ácidos graxos ômega 3, o Salmão ajuda na proteção contra a degeneração cognitiva e em reduzir a inflamação.
9 - Cranberry: esta fruta também contém antioxidantes.
10 - Comida apimentada: Um estudo chinês, publicado recentemente, descobriu que aqueles que comem pimentas são menos propensos a morrerem cedo e outro estudo descobriu que alimentos picantes diminuem o risco de morte por câncer e doenças cardíacas.
11 - Chá verde: chá verde e preto contêm catequinas, que ajudam a proteger o coração.
12 - Alho: composto de antioxidantes, acredita-se que ele ajuda a regular a pressão arterial.
13 - Espinafre: Um recente estudo descobriu que comer uma porção diária de espinafre (ou qualquer folha verde) pode ajudar a impedir a degeneração cognitiva associada à idade, por conta da vitamina K.
14 - Maçãs: fonte de antioxidantes, este alimento deve ser ingerido com a casca.
15 - Aspargos: ricos em glutationa, que ajuda a reduzir o risco de doenças cardíacas, demência e câncer, além de serem fonte de folato, que apoia a função cognitiva e mantém os cérebros dos mais velhos mais saudáveis.
16 - Probióticos: alimentos fermentados podem, eventualmente, diminuir os sintomas da ansiedade e da depressão.
17 - Abacate: estudo recente comprovou que esta fruta pode combater alguns tipos de câncer.

Noticias ao Minuto

Sistema de saúde na Alemanha

 

O sistema de saúde vem passando por transformações.
A assistência médica é muito boa, com excelentes instalações e bons profissionais.
Na Alemanha o seguro saúde é obrigatório.
A contribuição a pagar para o seguro saúde é calculado em função do rendimento do contribuinte.
Crianças e jovens até 18 anos estão isentos das contribuições, o estado banca.
Os seguros médicos obrigatórios dão direito a tratamentos completos, inclusive hospitalização, operações, tratamentos dentários, etc.
A maior parte dos medicamentos é paga pelos seguros.
Os seguros obrigatórios gastam com tratamento da população alemã cerca de 140 bilhões de euros por ano.
O sistema de saúde passou por reformas, visando diminuir os custos, mas melhorar ainda mais a qualidade dos serviços.
O governo exerce uma fiscalização as seguradoras, e banca grande parte dos atendimentos, ficando uma parte para a população pagar.
Através de medidas o governo está sempre melhorando o sistema de saúde para a população.

 

"Andam muito a pé, fazem muitos exercícios"

 

"Utilizam muito as bicicletas"

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

A culinária na Alemanha

 

Porco e aves são as principais variedades das carnes na culinária Alemã, sendo a carne de porco a mais popular.
Entre as aves, a carne de frango é a mais popular, seguidas das carnes de pato, ganso e peru.
O Alemão come muita salsicha no pão, com molho de mostarda.
É um grande consumidor de sanduíches.
A Batata acompanha sempre a carne nos pratos.
A comida predileta dos alemães é um prato com joelho de porco, batata e repolho fermentado (chucrute).
Nas refeições gostam de um bom vinho ou uma cerveja.
As sobremesas são tortas e bolos.
As mais consumidas são as tortas de frutas de maçãs, morangos ou cerejas.
Gostam também de tomar sorvetes após as refeições.




Brincadeiras de infância te ajudam a entrar em forma

Brincadeira de criança, como é bom, como é bom", já dizia aquela música. É muito bom mesmo e nós, adultos, temos uma pontinha de saudosismo toda vez que vemos alguma criança correndo no "pega-pega" ou pulando corda no quintal. Fato é que elas não precisam ficar no passado. Dá para aproveitar as brincadeiras infantis para entrar em forma de uma maneira divertida e nostálgica. "Para as pessoas que não se motivam com a academia, exercícios como bambolê, corda e patins são bastante indicados", indica a professora de educação física Sueli Nicolau Boaro, da Unesp.
É isso mesmo. Vale tudo menos ficar parado. Além de tudo, estas brincadeiras são ótimas porque podem ser feitas ao ar livre, trazendo, além de motivação, benefícios para o humor e para a autoestima. Só para ter uma ideia uma pesquisa recente feita pela Universidade de Essez, no Reino Unido, comprovou, por meio do acompanhamento com mais de 1,2 mil pessoas que bastam cinco minutos de exercícios físicos ao ar livre para colher benefícios significativos à saúde mental.  
Mas, não são apenas vantagens para a cuca fresca. Os exercícios infantis, quando feitos disciplinadamente, oferecem grande gasto calórico e resistência física. No entanto, vale sempre lembrar que, antes de começar a fazer qualquer atividade física, é necessário passar por uma avaliação com profissional qualificado. "Só assim você descobrirá quais exercícios você poderá fazer e em qual intensidade", ensina a professora Sueli Nicolau. A seguir, veja por que adotar as brincadeiras da infância como parte de uma rotina saudável de exercícios físicos. 
 
Pedale com vontade
A bicicleta é um dos poucos exercícios físicos que permite aumento da capacidade cardiovascular e dos níveis de energia, ao mesmo tempo em que tonifica e fortalece os músculos inferiores (pernas e o bumbum) . Além disso, a atividade promove gasto calórico. "Em um mínimo de 45 minutos de atividade, a pessoa pode perder até 400 calorias", diz a personal trainer Fernanda Andrade. O ideal é que o treino com bicicleta seja feito três dias na semana, pois um mesmo grupo muscular precisa de pelo menos um dia de descanso após a atividade física. 
 
Deslize sobre rodinhas
Ande de patins para dar um chega pra lá no sedentarismo."Patinar é uma atividade que movimenta praticamente o corpo inteiro. Mas a atividade é garantia de barriga chapada e bumbum durinho. Para manter a estabilização e o equilíbrio, há bom desenvolvimento da coordenação motora, além de trabalhar os músculos das pernas, do glúteo, do tronco e do abdominal", ensina a personal Fernanda Andrade.
Vale lembrar que, para fazer essa atividade, não podemos nos esquecer de usar capacete, joelheiras e cotoveleiras, para evitar lesões e machucados. 
 
Pule corda
Pular corda é um exercício contínuo e forte, que aumenta a circulação sanguínea e a oxigenação do corpo, promovendo melhora da capacidade cardiorrespiratória. "A corda trabalha os músculos do corpo inteiro, mas principalmente os flexores e extensores da coxa, além de desenvolver o equilíbrio físico e visual", ensina a professora da Unesp, Sueli Nicolau.
No entanto, a corda é um exercício muito intenso e, por isso, não é recomendado para qualquer um. O impacto dos pulos pode prejudicar joelhos, tornozelo e coluna. A especialista diz que pessoas com algum problema ósseo ou de articulação, como osteoporose e osteopenia, devem evitar os exercícios com corda.
 
Afine a cintura e afaste dores na lombar
É só um círculo feito de plástico, mas você mal pode imaginar os benefícios de incluir o objeto no seu treinamento diário. O bambolê é aliado de quem quer ter uma cinturinha mais fina. "É uma atividade de baixa intensidade. Boa para relaxar, pode ser feita entre um exercício e outro e ainda garante uma cintura mais firme e previne contra dores lombares. Isso porque o exercício trabalha com toda a estrutura do tronco e da musculatura da pelve e do abdômen", explica a personal Fernanda Andrade. 
 
Bola pra frente
Os exercícios com bola estão super em alta nas academias. Pilates, Power Ball e Fitball são algumas aulas que as academias oferecem com o objeto lúdico. Mas, você pode usar a bola para treinar onde estiver. O gasto calórico é ótimo e há melhora na flexibilidade e na resistência muscular, já que você precisa, além de fazer a atividade, ter o controle da bola. 
Não tem criança que resista a uma cama elástica. Quantas vezes os pais esperaram em filas intermináveis para que o filho fique quinze minutos pulando e dando cambalhotas sem parar? Pois é, a cama elástica (ou o mini-trampolim) é aliada na hora de perder calorias.
"Além de ser uma atividade gostosa, é excelente para a perda de peso, pois trabalha os músculos do corpo inteiro, principalmente os do abdômen, glúteos e membros inferiores. O gasto calórico de uma hora de atividade é de 500 a 600 calorias", diz a personal Fernanda Andrade.
No entanto, por ser um exercício com intensidade moderada, por exigir bastante da musculatura, demanda uma avaliação física antes de começar a treinar. "Para utilizar a cama elástica, é necessária uma recomendação de um profissional capacitado para que não haja nenhum risco de fratura ou lesão", afirma Fernanda.

Minha Vida

Estudo sugere que azeite de oliva diminui riscos desenvolvimento de câncer de mama

Mulheres que consomem uma grande quantidade de azeite de oliva extravirgem, como parte de uma dieta mediterrânea, têm menos chance de desenvolver câncer de mama em cinco anos. O estudo, feito na Espanha e publicado nesta segunda-feira (14) no portal de medicina JAMA Internal Medicine, mulheres com este costume às que estão em uma dieta com baixo consumo de gordura.
Pesquisas anteriores já sugeriam uma incidência menor de câncer no Mediterrâneo, mas não era claro como a dieta poderia interferir no risco de manifestação de câncer de mama. Agora, além das vantagens já conhecidas da dieta – como benefícios cardiovasculares, metabólicos e cognitivos -, ela também pode ser associada à prevenção desta doença.
O estudo analisou 4.300 mulheres que já passaram pela menopausa. Elas foram instruídas a comer refeições tradicionais mediterrâneas, que geralmente consistem em muitas frutas e vegetais, grãos integrais, peixe, azeite e vinho vermelho. A dieta tem baixo teor de açúcar, pouca comida processada, carne vermelha e derivados do leite. Parte dessas mulheres recebeu um litro a mais de azeite de oliva extravirgem por semana para elas e suas famílias. Enquanto isso, outro grupo recebeu 30 gramas de castanhas diferentes, como amêndoas, avelãs e nozes. Um grupo de controle seguiu uma dieta com baixo teor de gordura no lugar da mediterrânea.
Depois de cinco anos, as mulheres das duas dietas foram consideradas com menos chance de serem diagnosticadas com câncer de mama do que as mulheres na dieta de baixa gordura. Aquelas que suplementaram suas refeições com azeite de oliva reduziram em 68% o risco de manifestar a doença. O grupo de pesquisa calculou que a cada 5% de calorias adicionais que vinham do azeite de oliva, mulheres poderiam reduzir suas chances de ter câncer de mama em cerca de 28%.
Aquelas que comeram as castanhas mostraram uma redução de 41%, mas isso não foi estaticamente significante – o que significa que pode ter ocorrido apenas por acaso.
No entanto, há algumas advertências em relação ao estudo. O maior é que houveram apenas 35 casos de câncer de mama em todo o grupo, o que é pouco. E, apesar dos resultados significativos, pode não ser o suficiente para tirar conclusões finais.
Além disso, o estudo original não estava procurando especificamente por câncer de mama – no começo ia estudar vantagens cardiovasculares na dieta – então não houve uma triagem uniforme para câncer de mama.
 
Forbes Brasil

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Em um Café na Linda Cidade de París





"Em um café em París, pode-se tomar um bom vinho, ouvindo uma boa música tocada em um piano"


Le Pause Café, esse café ficou conhecido por causa do filme "Chacun cheche Sonchat"(cada um procura o seu gato)
Aberto de segunda-feira até sábado.
 


sábado, 12 de setembro de 2015

Como meu pai enfrentou a velhice

 

Desse homem conheço numerosos fatos notáveis, mas nada é mais digno de admiração do que a maneira como enfrentou a velhice.
Todas as pessoas desejam viver muito, mas, quando ficam velhas, algumas se lamentam muito.
Certa ocasião, perguntei a meu pai se desejava viver muito tempo, ele respondeu:


  • nada tenho a reprovar em relação à velhice, os frutos dela são todas as lembranças que adquiri do passado;
  • os velhos não devem se apegar, nem renunciar ao pouco de vida que lhe resta, porque ninguém é bastante velho para não viver vários anos a mais;
  • saber distribuir o tempo é saber aproveitá-lo;
  • as pessoas agradáveis suportam facilmente a velhice; o temperamento e a beleza estão em todas as idades;
  • toda idade tem seu prazer e sua virtude. Não é a força nem a agilidade que marcam as grandes façanhas de um homem. O que importa é a maneira de pensar, a sabedoria, a humildade, o discernimento, a honestidade, a bondade e a verdade;

Portanto, meu Pai acreditava ser o ser humano a origem e o fim de todas as coisas na sociedade. Ele entendia que as pessoas, através do estudo e trabalho, buscam a sobrevivência e o crescimento da espécie.
Gostava de dizer: velho sim, velhaco jamais.
Enfatizava que chegou àquela idade tendo permanecido ativo, trabalhado sem descanso desde novo, sobretudo porque tinha perdído seus pais muito cedo, criado sua familia, participado do processo da construção do Colégio Marques Afonso e cultivado o caminho do bem.

A construção do Colégio foi uma boa lembrança que carregava consigo. Sentia que ela tinha propiciado às pessoas, desde o mais humilde ao mais abastado, sentarem-se lado a lado e terem as mesmas oportunidades na vida.
Seu grande sonho e desafio foi diminuir as desigualdades através da educação. Acreditava que não há limites para os sonhos e não importa o tamanho do seu sonho, o importante é acreditar.
Ele dizia que a razão que o motivou a lutar pelo colégio naquela época foi ter observado que muitos pais não tinham condições financeiras de manterem seus filhos estudando fora do prata.
Sua alegria foi muito grande ao perceber que, depois de construido, dentre os primeiros alunos matriculados no colégio havia não só pessoas do Prata, mas também de cidades vizinhas.
Fazia questão de ressaltar que tinha aprendído com sua esposa Auxiliadora, minha mãe, que o que fazemos de graça recebemos em graça.
Meu pai exerceu seu ofício com profissionalismo, dedicação, amor e respeito aos clientes. 

As lembranças das coisas boas que realizou o confortaram muito na velhice. Dizia que seus cabelos brancos e suas rugas eram a recompensa de um passado exemplar que teve e concluia afirmando:
"assim como o bom vinho, as boas ações que praticamos no passado não azedam com o passar do tempo; Deus nos fornece, aqui na terra, um hotel provisório e não um domicilio definitivo".

Essas são as lembranças que tenho do meu Pai, Benjamim Torres. Guardo com muito carinho a imagem de um homem bom que se sentia muito bem em fazer o bem, que lutou muito para o bem da coletividade, que nos deixou muito orgulhosos com seus gestos, e soube envelhecer com sabedoria, embora tenha partido, continua vivo em meu coração.
 

Cristóvão Martins Torres

Cidade de Londres




Área central de Londres

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Na Alemanha cada Monumento Lembra um Aspecto da História

 



Cidade de Kiel

Quando caminhamos pelas ruas das cidades da Alemanha percebemos a presença de inúmeros monumentos, que foram construídos como forma de preservar a memória e a rica história alemãs.
Cada monumento lembra um aspecto dessa história.
São homenagens a personagens que contribuíram para a criação e o desenvolvimento do país, ou lembranças a episódios trágicos protagonizados pelos alemães, como, por exemplo, os memoriais sobre o holocausto.

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Estátua de Sherlock Holmes em Baker Street(Londres)

 

Estátua do famoso detetive Sherlock Holmes, em Baker Street (Londres), Personagem de ficção da Literatura  Britânica.Sherlock Holmes ainda hoje é um dos mais atraentes personagens dos romances policiais. Carismático e astuto, fez do método científico e da lógica dedutiva suas melhores armas.
 
 
 

domingo, 6 de setembro de 2015

Fotomontagem é tão Antiga quanto a Própria Fotografia

 

Hoje, ela é muito usada por aqueles que usam a internet para o mal, forjando situações e imagens, com isso levando constrangimentos as pessoas.
 

Fotomontagem, termo empregado para designar a associação de duas ou mais imagens, ou fragmentos de imagens, com o propósito de gerar uma nova imagem. São diversos os processos capazes de gerar imagens desta forma. O mais simples deles é a colagem, que consiste na elaboração de uma composição tomando por base imagens positivas sobre papel, que podem ser apresentadas diretamente desta forma, como o fizeram os artistas dadaístas e surrealistas, ou ser reproduzida para gerar um negativo a partir do qual se produzirão ampliações. Uma variante desse sistema, empregando originais em transparência, é o sanduíche de negativos ou de diapositivos, que agrega duas ou mais imagens para produzir uma terceira que pode ser simplesmente projetada, como no caso dos slides, ou empregada para gerar ampliações positivas sobre papel, no caso dos negativos. Outra possibilidade é a de ampliar partes de negativos diferentes sobre um mesmo papel fotográfico, gerando assim uma imagem composta que era reproduzida a seguir para gerar um negativo que possibilitava a obtenção ulterior e mais fácil do mesmo efeito. Existe uma variante do processo de fotomontagem que pode ser executada diretamente na própria câmara: a dupla exposição - ou mesmo múltipla exposição - de um mesmo negativo no momento de tomada da fotografia. Hoje em dia, com a introdução dos computadores e dos scanners, a adição de duas ou mais imagens para a produção de uma imagem final tornou-se muito mais fácil, de fazer.



A Fotomontagem é tão antiga quanto a própria fotografia.
Quatro anos após o francês Daguerre apresentar a primeira máquina fotográfica, o também francês Hippolyte Bauard, em 1839, mandou uma foto, como protesto forjando seu próprio suicídio

Estátua de Sherlock Holmes em Baker Street(Londres)

 

Estátua do famoso detetive Sherlock Holmes, em Baker Street (Londres), Personagem de ficção da Literatura  Britânica.Sherlock Holmes ainda hoje é um dos mais atraentes personagens dos romances policiais. Carismático e astuto, fez do método científico e da lógica dedutiva suas melhores armas.
 

Com o DNA na cueca

 

Revista Época/ Reportagem
 
Cada vez mais pessoas recorrem a testes genéticos para casos de infidelidade, com exame de camisinhas, peças íntimas e até sofás
 
Solange Azevedo
Leo Drumond/Nitro
Maridos, esposas e namorados desconfiados ganharam uma nova arma contra a traição. Exames de DNA são cada vez mais acessíveis. No Brasil, os laboratórios já estão habituados a testar calcinhas, camisinhas e até tecido de sofá. Agora, alguns clientes vão mais longe: usam testes genéticos até para tentar descobrir quem arranhou seu carro no estacionamento. De canudos a guardanapos, pontas de cigarros e fios de cabelo, qualquer objeto pode deixar uma pista biológica. Ninguém está a salvo.
'Hoje, tudo é motivo para fazer DNA', diz Denilce Sumita, do Núcleo Forense do Genomic Engenharia Molecular. 'Cada vez mais, estamos sendo procurados por motivos banais.' No início deste ano, uma senhora do Nordeste mandou duas blusas para a sede do laboratório, na capital paulista. Ao suspeitar que a empregada havia usado as peças, não teve dúvidas, pagou R$ 1.600 para tentar provar a audácia da funcionária. A perita Denilce extraiu o DNA da sudorese impregnada nas roupas e comparou com amostras da desconfiada. Os traços de suor nas blusas eram da própria patroa. O único pecado da empregada foi ter deixado de lavar a roupa da madame.

Kit para teste de paternidade caseiro é vendido por R$ 800
Em tese, é possível extrair DNA de qualquer tipo de material, desde que o armazenamento seja adequado e haja quantidade suficiente de amostra biológica, como sangue, urina, sêmen, saliva ou pele. A síndrome de Sherlock Holmes ganha tanto terreno que um universitário paulista desembolsou R$ 4 mil para tentar desmascarar um desafeto. Desconfiado de que o rapaz havia riscado seu carro e grudado um chiclete na lataria do veículo, guardou a goma de mascar e ficou à espreita. Seguiu o suspeito até um bar e surrupiou dois canudos plásticos de sua lata de refrigerante. Só que os testes genéticos mostraram que a pessoa que mascou o chiclete não era a dona da saliva extraída dos canudinhos.

#Q#
Se o resultado fosse positivo, não teria valor judicial. Os tribunais brasileiros não aceitam provas obtidas por meios não-oficiais. O problema é que também não há lei que determine a ilegalidade dessas ações. As discussões sobre o tema, ainda muito rasas, se limitam apenas ao campo da ética. 'O DNA é a impressão digital do indivíduo. ä Invadir a privacidade de uma pessoa dessa forma não é correto. Os laboratórios deveriam se recusar a fazer exames desse tipo', diz Marco Segre, professor de Medicina Legal e Bioética da Universidade de São Paulo.

A produção de provas através do DNA, sem o consentimento dos envolvidos, é polêmica - mesmo em investigações policiais. No início de 2002, o Supremo Tribunal Federal (STF) mandou recolher a placenta da cantora mexicana Gloria Trevi. Ela engravidou enquanto estava presa na Polícia Federal, em Brasília. Recusou-se a revelar quem era o pai do bebê e lançou suspeitas sobre um delegado. Seus advogados foram mais longe e disseram que ela havia sido estuprada na carceragem. Diante do imbróglio, o STF decidiu que prevalecia o direito público de esclarecer as circunstâncias da gravidez. Naquela ocasião, o ministro Néri da Silveira alegou que, depois do parto, a placenta já não fazia parte do corpo de Glória e que, por isso, não haveria constrangimento para a realização do teste. Laudo do Instituto Nacional de Criminalística mostrou que o pai era o namorado da cantora.

Especialistas discutem o uso de material genético descartado
Meses depois, policiais de Goiânia usaram a mesma tese - a do material biológico descartado - para desvendar a real identidade de Roberta Jamilly Martins. Havia suspeitas de que a moça havia sido seqüestrada 24 anos antes pela empresária Vilma Martins. Roberta, chamada à delegacia, recusou fazer exame de DNA. Mas os agentes recolheram sorrateiramente uma bituca de cigarro que ela havia deixado no cinzeiro e conseguiram comprovar que, na verdade, ela era Aparecida Fernanda Ribeiro da Silva, a menina seqüestrada numa maternidade de Goiânia.
A possibilidade do uso indiscriminado da Ciência para casos não-criminais ou de identificação de paternidade preocupa especialistas. 'Precisamos regulamentar a realização de testes de DNA e a utilização de material genético descartável', acredita César Grisólia, professor do Departamento de Genética da Universidade de Brasília (UnB). 'As pessoas não confiam mais nas outras. Diversas situações poderiam ser resolvidas na conversa, mas há indivíduos que preferem invadir a privacidade do outro para produzir provas a dialogar', avalia Áderson Luiz Costa Júnior, do Instituto de Psicologia da UnB. Isso fica ainda mais evidente em casos de desconfiança conjugal. 'Recebemos muitas solicitações estranhas. O mais comum são maridos que querem checar se há sêmen de outro homem na calcinha da mulher', diz o médico Victor Pardini, do Instituto Hermes Pardini, de Belo Horizonte. Nesse caso, o material biológico colhido na calcinha é comparado com o do marido desconfiado. Se for diferente, é sinal de traição.
O médico conta que uma mulher chegou a arrancar um pedaço do sofá e levar para exame. Queria saber se uma mancha no tecido era sêmen do marido. Caso o resultado desse positivo, teria certeza de que estava sendo traída com a vizinha, já que um dia, ao chegar mais cedo, pegou a moça saindo apressada da casa. Outra cliente do instituto guardou na geladeira 60 camisinhas usadas para provar concubinato. O magistrado que tocava o processo judicial pediu DNA dos preservativos e ela conseguiu comprovar que mantinha relação estável com o dono do sêmen congelado.

#Q#

Maurilo Clareto/ÉPOCA
O médico paranaense Salmo Raskin, do laboratório Genetika, também coleciona diversas histórias bizarras, desde solicitações para extrair DNA de fios de cabelo encontrados em travesseiros até pedidos de exames de calcinhas. Em casos de paternidade, ele tem até clientes cativos. Certa vez, Raskin reconheceu um empresário catarinense na sala de espera do laboratório e perguntou: 'Osenhor não esteve aqui no ano passado para fazer um teste de DNA? Houve algum problema?'. O empresário respondeu que o problema era que, como ele viajava muito e no retorno sempre encontrava a mulher grávida, decidira comprovar também a paternidade da segunda filha. Tempos depois, o catarinense voltou ao Genetika para examinar a terceira filha. 'Os três resultados foram positivos. Oempresário costumava brincar que, em vez do teste do pezinho, preferia fazer o do DNA. Mas tudo isso com o consentimento da mulher, que ia ao consultório junto com o marido, e parecia não se importar com os testes', conta o médico.
Em alguns casos, a própria mãe se antecipa. O laboratório André Rey, de Goiânia, recebeu a visita de uma gestante que queria saber se o feto era filho do marido dela. 'Recusei-me a realizar o procedimento, invasivo para o feto', diz o médico Anor Oliveira Neto.'Sugeri que ela fizesse depois do parto', conta. A mulher argumentou que não podia esperar. Levando o médico até a sala de espera, mostrou seu motorista particular, que era negro. 'Ela disse que, se o filho não fosse legítimo, o marido descobriria na hora. E que preferia fazer um aborto', conta. Meses depois, a mulher voltou para tranqüilizar o médico, dizendo que a criança era filha do marido. E que estava bem.
A área é tão promissora que, há dois anos, o Instituto Hermes Pardini lançou o kit DNA em Casa. Com o material, adquirido pela internet, o pai colhe facilmente células da mucosa da boca do filho que desconfia não ser seu. E as encaminha, pelo correio, ao laboratório. Custa R$ 800. O resultado também pode ser consultado pela rede. Tudo isso com o mais absoluto sigilo. Esse processo de investigação é tão secreto que nem a mãe, que indiretamente está sendo testada, fica sabendo. A polêmica do DNA está apenas começando.

Revista Época/ Reportagem