segunda-feira, 31 de julho de 2017

Governo de Minas deve parcelar pagamento dos servidores em duas vezes

No último dia do mês de julho, os servidores públicos do Estado de Minas Gerais ainda não têm qualquer informação sobre a data em que receberão os salários pagos em agosto. Segundo fontes do governo, a escala será divulgada nesta terça-feira (1º) e a expectativa é que o Estado anuncie o pagamento referente a julho em duas parcelas, e não mais em três, como vinha sendo feito há um ano e meio. As secretarias de Fazenda (SEF) e de Planejamento (Seplag) não confirmam oficialmente a informação. As datas ainda não foram divulgadas.
A grande questão é saber se a primeira parcela voltará a ser paga no quinto dia útil, o que beneficiaria 100% do funcionalismo. Desde o ano passado, a primeira parcela é depositada com atraso, entre os dias 10 e 13 de cada mês, o que afeta principalmente servidores que recebem até R$ 3.000 e que equivale a 75% dos trabalhadores.
Outros 20% que recebem entre R$ 3.000 e R$ 6.000 têm o salário parcelado em duas vezes. A segunda parcela costuma ser paga perto do dia 17. Apenas 5% do funcionalismo, com salários acima de R$ 6.000, recebiam a terceira parcela. “Se o governo não antecipar as datas do pagamento, 95% dos servidores não sentirão nenhuma diferença. O pagamento em duas parcelas beneficiaria somente os grande salários”, afirmou uma fonte técnica do governo.
As áreas técnicas realizaram nos últimos dias reuniões frequentes para chegar às datas do pagamento, observando sempre o resultado da projeção do Programa de Recuperação Fiscal (Refis). Um fonte ligada ao governo, ouvida por O TEMPO, sinalizou que os salários não serão mesmo pagos no quinto dia útil, já que a maior parte dos tributos entra no caixa do Estado a partir do dia 10 de cada mês.

Um técnico também ouvido pela reportagem explicou o grande impasse no pagamento da primeira parcela em agosto. “Nos últimos dois meses, o pagamento da primeira parcela foi no dia 13. Em agosto, 13 cai num domingo. Temos feriado nos dias 14 e 15. Então, o depósito pode ser na sexta (11) ou sábado (12/8), ou só após o feriado (16/8). Nessa hipótese, seria a data mais atrasada desde o início do escalonamento”, explicou.
O Tempo

Aqui é para quem tem dólar

Quem está no comércio tem que se conscientizar de três coisas básicas, para vender seus produtos, "Atendimento, qualidade e preços".
Muitas vezes você chega em um comercio, aqui no nosso país e, não encontra esse tripé.
Hoje, com a globalização, as pessoas estão mais exigentes, querendo ser bem atendidas, quando estão comprando, querem qualidade no atendimento, no que está comprando, óbvio, com um bom preço.
Estão mais exigentes no comprar.
Infelizmente, nosso país o grau de atendimento e qualidade estão longe do ideal, sem nenhuma qualidade.
Certa ocasião, em um hotel que estava hospedado, numa praia famosa do Rio, quando fui acertar a conta na portaria, brinquei com o atendente, assim que me passou a conta das diárias; O preço aqui é muito salgado, até parece com a água do mar.
Ele me respondeu secamente; Aqui é para quem tem dólar".
Paguei a conta, arrumei minhas malas e fui embora.
Acho que não precisa dizer mais nada!
Nunca mais voltei nesse hotel e nunca quero mais voltar, eu não tenho dólar.

Cristóvão Martins Torres



O deserto por onde caminham cegos

Amadeu Roberto Garrido de Paula

Deuses nos traçaram sombrio destino

atrelado aos fados de outros povos

a cada via vemos um falso sorriso

de governantes que nos corroem os ossos

Falsários do ilusionismo e de luzes

fazem multicolorida a "res publica"

nossos irmãos suportam as cruzes

suas mãos sangram, como na história bíblica

Milênios e séculos se foram inúteis

a humanidade recebeu a mensagem

ajoelha-se, porém parecem preces inúteis

pois as vilanias recrudescem a cada passagem

Multidões inundaram nossas ruas

a democracia só tem urnas

instituições apodrecem qual velhas uvas

trevas e granitos envolvem  aldeias turvas

O povo não sabe o que quer, nas praças tomadas, dizem,  

mas não será o simples andar a mostra de um rumo?

com certeza o povo repele firmemente as águas jorradas

de fontes cristalinas para um mar nauseabundo           

Mar da corrupção! Tudo parece porém simples espetáculo

a cada dia há novo capítulo para encerrar nossas tardes

e no magnífico e inexpugnável castelo em diário oráculo

as farsas os divertem e o choro brota das fraudes

Assim, brasileiros, compatriotas, amigos e amigas,

prosseguimos em nosso figurino triste de granito

traçado pelos deuses do inferno para a vida das formigas

trabalhadoras desde a madrugada, engasgo de eterno grito. 

Amadeu Roberto Garrido de Paula, é Advogado e sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.

Esse texto está livre para publicação.

Morre a atriz e diretora francesa Jeanne Moreau

A atriz e diretora Jeanne Moreau, considerada a grande dama do cinema francês, morreu nesta segunda-feira (31) aos 89 anos de idade, informou a imprensa francesa.
A intérprete, que trabalhou com os maiores diretores da cinematografia francesa, como François Truffaut, Louis Malle e André Téchiné, foi encontrada morta em sua casa em Paris por sua empregada doméstica, segundo a revista Closer.
Moreau, "a melhor atriz do mundo", segundo Orson Welles, é a primeira mulher acadêmica de Belas Artes na história da França, fez parte da "Nouvelle Vague" e foi musa de diretores como Luis Buñuel, com quem trabalhou em Diário de uma Criada de Quarto.
"Essa tristeza não acabará nunca, mas a alegria de lembrá-la sempre estará conosco", escreveu no Twitter o Unifrance, organismo encarregado da promoção do cinema francês no exterior.

Ela também gravou uma música com Chico Buarque, feita pelo compositor especialmente para ela, chamada "Joana Francesa", e participou do filme de Cacá Diegues de mesmo nome.

A protagonista de Uma Mulher para Dois (1962) e de A Noiva Estava de Preto (1967), de Truffaut, teve ampla trajetória. Entre os filmes que fez, destacam-se também A Noite (1962), de Michelangelo Antonioni, e Duas Almas em Suplício (1960), de Peter Brook, que lhe valeu o prêmio de melhor interpretação feminina em Cannes.
Nascida em 23 de janeiro de 1928, de pai francês e mãe britânica, estreou no teatro em 1947 com La terrasse de midi, apresentada no Festival de Avignon.
Atriz poliglota e internacional, que se destacou também como cantora, foi prêmio César de melhor atriz em 1992 por La vieille qui marchait dans a mer, de Laurent Heynemann, e presidente do júri de Cannes em 1975 e 1995.
Moreau presidiu também o júri da Seção Oficial do 54º Festival Internacional de Cinema de San Sebastián, em 2006, e deixa uma trajetória cinematográfica composta por mais de uma centena de filmes.
"Com ela desaparece uma artista que encarnou o cinema na sua complexidade, na sua memória, na sua defesa", afirmou hoje a presidência francesa, que a lembrou como uma mulher rebelde contra "a ordem estabelecida e a rotina".
A também cenógrafa, diretora de filmes como No Coração, a Chama (1976), foi casada com Jean-Louis Richard, pai do seu filho Jérôme, e posteriormente com William Friedkin.
O Tempo

domingo, 30 de julho de 2017

Uma poesia que cria laços permanentes


Carlos Drummond de Andrade ocupa um lugar central na poesia moderna do país e, de acordo com o professor e pesquisador da UFMG Roberto Said, o poeta compõe uma importante tríade ao lado de João Cabral de Melo Neto (1920-1999) e Manuel Bandeira (1886-1968). “Eles são alguns dos principais nomes que traduziram em versos a história e a cultura brasileira, e Drummond continua sendo muito estudado e ainda exerce muita influência sobre os poetas contemporâneos”, observa Said, que cita Ana Cristina César, Waly Salomão e Armando Freitas Filho como exemplos de poetas que dialogaram com a obra de Drummond. “Você encontra nos poemas dos três várias referências, elogios e imagens que apontam isso”, diz.

O escritor e jornalista Fabrício Marques também ressalta a vitalidade de Drummond. “Ele é um anticorpo presente na circulação sanguínea da literatura e da vida brasileiras. Um anticorpo que, ao lado de Garrincha, Pixinguinha, Clarice Lispector e Guimarães Rosa, entre outros, constitui a nossa referência identitária. Não podemos querer pouco depois deles”, pontua ele.

A poeta Ana Elisa Ribeiro, por sua vez, destaca as contribuições de Drummond em relação à linguagem. “Gosto da aparente facilidade que ele tinha de fazer poesia com uma língua muito cotidiana e até muito oral. Há um poema dele em que ele diz que ‘o português são dois’, e ele parecia preferir o mais ágil, o mais próximo. Não acho que seja tudo simples nem simplista, mas acho um luxo escrever com tanta intimidade quanto ele escrevia”, declara.

A também poeta Thais Guimarães sublinha os olhares para a existência humana lançados por Drummond. “Desde as pequenezas da vida cotidiana e ordinária aos mais complexos conflitos; do amor ao ódio. São raros os poetas com tamanha vocação, como a revelada por Drummond em toda a sua obra, para captar e traduzir o seu tempo – o homem do seu tempo, a sociedade do seu tempo –, expressando a voz individual, projetada para o coletivo, além de uma firme preocupação com o mundo – com as desigualdades sociais, com as injustiças”, conclui.
O Tempo

São Francisco de Assis



São Francisco de Assis, apesar de ter vivido há 1200 anos atrás, é muito atual, muito moderno.
Um Santo que não sai de moda nunca.
Foi um Santo muito simples e humilde, que olhou muito pelos pobres e os animais.
Todos os dias, ao levantar, faço a oração de São Francisco de Assis.
Meu Santo de devoção, tenho muita fé nele.


Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor,
Onde houver ofensa , que eu leve o perdão,
Onde houver discórdia, que eu leve a união,
Onde houver dúvida, que eu leve a fé,
Onde houver erro, que eu leve a verdade,
Onde houver desespero, que eu leve a esperança,
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria,
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, fazei que eu procure mais
consolar que ser consolado;
compreender que ser compreendido,
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe
é perdoando que se é perdoado
e é morrendo que se nasce para a vida eterna...

Visita à cidade de Tours, no vale do Loire ( Na França )

Políticas de mobilidade urbana sobre as bicicletas na Alemanha

Nós incentivamos a bicicleta, que é um meio de transporte saudável e bom para o meio ambiente e, por isso, achamos correto, em alguns casos, tirar vagas de estacionamento para construir ciclovias. A prioridade das políticas de mobilidade urbana em Berlim não está somente com os veículos automotores, mas também com as bicicletas“, afirma Petra Rohland, porta-voz da secretaria.

Mais da metade dos brasileiros está insatisfeita com a carreira

A insatisfação com a atual carreira motiva a busca de um novo rumo profissional, por meio de outra formação ou do empreendedorismo. Levantamento encomendado pela Giacometti Comunicação, em 2016, mostra que 52% dos brasileiros na faixa dos 30 anos não estão felizes com a carreira. A especialista em gestão estratégica de pessoas Cláudia Santos confirma a alta insatisfação.
E lembra que, segundo pesquisa da International Stress Management Association, realizada no Brasil em 2015, 72% das pessoas não estão felizes com o trabalho. Christyano Malta, que é advogado e hoje atua como coach, percebe no dia a dia a infelicidade em ascensão. “Das pessoas que me procuram, de 70% a 80% não sabem exatamente o que querem. Muita gente está insatisfeita”, diz.

Essa desilusão vem de vários formas, além da crise no mercado de trabalho. As pessoas também querem mudar de profissão na busca da realização de um sonho ou por mais qualidade de vida. Malta ressalta que várias pessoas fazem as escolhas profissionais sem pensar muito, ou optam pela profissão por outros motivos que não incluem a vocação. “Cerca de 70% daquelas que fazem direito, por exemplo, escolhem o curso para passar num concurso e ter estabilidade, segurança. Assim, acabam trabalhando pensando no fim de semana”, afirma.

A pesquisa da Giacometti confirma que 86% das pessoas na faixa dos 30 anos querem estabilidade, enquanto 83% sonham em passar em um concurso público.
Malta, que hoje ajuda as pessoas no direcionamento de carreira, foi um dos jovens que buscaram novos rumos. O pontapé para a troca de área foi a síndrome do esgotamento profissional, também conhecida como “burnout”. “Eu era o primeiro a chegar ao escritório e o último a sair, mas minha produtividade caiu. Coisas que eu demorava de três a quatro horas para fazer passaram a ser feitas em três ou quatro dias. Além disso, eu estava impaciente e intolerante”, conta.
Para tentar resolver o problema, ele procurou psicólogos e psiquiatras, e o diagnóstico foi depressão. “Só que eu pesquisei e vi que não era quadro de depressão”, frisa. Ele foi para os Estados Unidos tratar-se e acabou descobrindo o coaching, aos 36 anos. Hoje, aos 42, Malta orgulha-se de ter energia até tarde da noite. “Faço o que gosto, aprendo todos os dias”, diz.
A crise e a insatisfação fazem profissionais procurarem reinventar-se. Eles até voltam para os bancos escolares, mesmo já tendo uma graduação. Ao mesmo tempo, muitos decidem abrir um negócio numa área totalmente diferente daquela em que se graduaram. Na Faminas-BH, por exemplo, 30% dos alunos já têm formação superior, conforme o pró-reitor da Faminas, Everton Reis. Já no curso Positivo, com unidades no Sul do país, 2% dos matriculados no pré-vestibular têm 30 anos ou mais.
Para Reis, a busca de oportunidades numa nova área é um dos motivos que levam uma pessoa a voltar a estudar. “Há também aqueles que já criaram os filhos e querem se dedicar ao que gostam, fazer um curso por hobby”, acrescenta. Entre os mais procurados por quem já tem uma graduação estão direito, filosofia, psicologia e gastronomia, diz ele.
Frustração pode causar doenças
As frustrações profissionais podem causar doenças, entre elas a síndrome do esgotamento profissional, alerta a especialista em gestão estratégica de pessoas Cláudia Santos. “As empresas precisam se conscientizar de que pessoas felizes produzem mais e melhor”, observa. Conforme pesquisa da International Stress Management Association (Isma), realizada entre 2013 e 2014, cerca de 30% dos mais de 100 milhões de trabalhadores brasileiros sofrem do mal.
Cláudia explica que não é só a falta de emprego que leva à busca de outras opções. “A insatisfação pode motivar também o empreendedorismo”, frisa. Prova disso é que ter um negócio próprio está nos planos da geração de 30 anos, segundo pesquisa encomendada pela Giacometti Comunicação. A intenção de empreender foi citada por 67% dos mil entrevistados nas cidades de Rio de Janeiro, São Paulo, Recife e Porto Alegre.
Autoconhecimento evita escolha errada
A falta de autoconhecimento também leva a escolhas profissionais equivocadas, fazendo com que uma pessoa faça diversas graduações ou não termine o curso que começou, segundo a diretora da TAO Coaching e Treinamentos, Raquel Couto. “Eu fui exemplo disso”, diz.
Antes de virar coach, ela passou por dois cursos de graduação – administração e direito. “A intenção ao fazer administração era trabalhar com meu pai. Antes disso, trabalhei em várias empresas. Só que depois, devido ao meu senso de justiça, quis fazer direito para ajudar as pessoas. Porém, no meio do curso, decepcionei-me ao ver uma injustiça quando era estagiária”, conta a coach.
Raquel Couto concluiu o curso de direito, passou na prova da OAB, mas não exerceu a profissão. Em 2010, começou a mudança de carreira. “Fiz os treinamentos. E em 2013, depois de quase morrer no hospital, comecei a refletir sobre a minha vida e decidi colocar em prática o que eu queria fazer”, afirma.
O Tempo

sábado, 29 de julho de 2017

Falta de recursos já prejudica

O TEMPO

LAVA JATO

Deltan Dallagnol disse que, se PF não sofresse contingenciamento, haveria mais operações


PUBLICADO EM 29/07/17 - 03h00






BRASÍLIA. O coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, disse nessa sexta-feira (28) em entrevista ao “Jornal Hoje”, da TV Globo, que a falta de dinheiro para a Polícia Federal (PF) já compromete investigações da operação. Segundo ele, o contingenciamento de verbas da PF por parte do governo federal impede a polícia de deflagrar mais etapas da Lava Jato.

“Há uma série de linhas de investigação que estão paradas ou andando de modo lento, quando elas poderiam já estar avançadas. Veja que, das últimas sete operações pedidas e deflagradas na Justiça, da Lava Jato, seis partiram do Ministério Público Federal (MPF), apenas uma da Polícia Federal. Se a PF estivesse com recursos humanos, estivesse com uma equipe adequada, nós teríamos, em vez de sete, 12 operações, seis da PF e seis do MPF”, disse Dallagnol.

Questionada pela TV Globo sobre os recursos para operações, a assessoria do Ministério da Justiça, responsável pela PF, informou que há um repasse mensal de R$ 70 milhões previsto para a Polícia Federal até o fim do ano, e que a operação “tem total apoio do ministério”.

Dallagnol afirmou que o ministro da Justiça, Torquato Jardim, precisa demonstrar “com atitudes” que apoia a operação e admitir que existe um enfraquecimento dos trabalhos diante do corte orçamentário na PF. “É preciso que o ministro da Justiça apoie a Lava Jato com mais do que palavras. Hoje, suas palavras são desmentidas pelo o que acontece de fato. O que acontece de fato é uma redução dos quadros da Lava Jato. É um sufocamento da Lava Jato. Nós precisamos, se o ministro da Justiça diz apoiar, que ele, com atitudes, demonstre o que disse”, afirmou.

Já o procurador da República Athayde Ribeiro Costa, ao detalhar a 42ª fase da Lava Jato em Curitiba, que resultou na prisão do ex-presidente da Petrobras Aldemir Bendine, criticou diretamente Torquato ao dizer que o ministro não procurou a PF para saber se o efetivo existente é suficiente para manter as investigações.

Torquato Jardim reagiu às críticas e afirmou que, hoje, as investigações no Paraná já são menores do que as tocadas em Brasília e que caminham para serem menores do que as existentes em São Paulo. “Vejo a crítica como infundada. Basta olhar o meu passado profissional, antes de chegar aos dois ministérios (Transparência e Justiça), e não se encontrará nenhum gesto de crítica e desapreço à Lava Jato. Quanto a não ter feito uma visita social, não constava no protocolo do ministério que eu devesse fazer uma visita oficial à Lava Jato. Se ele (Dallagnol) acha isso necessário, vamos combinar um café”, ironizou Torquato.

Nessa sexta-feira (28), a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) divulgou nota para rebater as declarações do ministro. “A Fenapef entende que o corte nos recursos, que já se encontravam no limite, significa deixar o caminho livre para a ação de corruptos, organizações criminosas e de traficantes”, destaca a entidade, que pede que o ministro reveja a questão. A nota diz ainda que “não se economiza em segurança pública”.
Prisão. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve nessa sexta-feira (28) a condenação de Waldomiro de Oliveira, apontado pela Lava Jato como laranja do doleiro Alberto Youssef em empresas de fachada.
O Tempo

Tentando entender a morte

Moro confirma novo interrogatório de Lula no dia 13 de setembro

O juiz Sérgio Moro, da operação Lava Jato, confirmou para o próximo 13 de setembro novo interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, desta vez na ação penal em que o petista é réu por suposto recebimento de propinas da empreiteira Odebrecht Pela segunda vez, Moro e Lula vão ficar cara a cara.
Moro havia sugerido que o novo depoimento de Lula fosse realizado por videoconferência - o ex-presidente prestaria depoimento na Justiça Federal em São Paulo, evitando seu deslocamento a Curitiba, onde fica a 13.ª Vara Federal, de titularidade de Moro, responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância judicial.
O juiz alegou que a medida poderia evitar "gastos indesejáveis", referindo-se ao formidável aparato de segurança pública mobilizado da primeira vez em que ele e o petista se encontraram - em maio passado, Lula foi interrogado por Moro pela primeira vez nos autos da ação penal do caso triplex.
Na ocasião, milhares de manifestantes tomaram as ruas de Curitiba, em apoio a Lula.
Apesar da sugestão do juiz, Lula abriu mão da videoconferência. Por meio de seus advogados, o ex-presidente comunicou que é seu desejo depor pessoalmente a Moro.
"Diante da recusa, o interrogatório será presencial", decidiu nesta sexta-feira (28) o juiz da Lava Jato.
Moro também resolveu que a audiência será gravada da mesma forma como já foi feito em ação penal conexa.
Neste processo, segundo a denúncia do Ministério Público Federal, Lula é acusado de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro em razão de contratos firmados entre a Petrobras e a Odebrecht.
A acusação aponta que parte das propinas pagas pela Odebrecht foi lavada mediante a aquisição, em benefício do ex-presidente, do imóvel localizado na Rua Dr. Haberbeck Brandão, 178, em São Paulo, em setembro de 2010, que seria usado para a instalação do Instituto Lula.
A força-tarefa da Lava Jato afirma que o acerto do pagamento da propina supostamente destinada ao ex-presidente foi intermediado pelo então deputado federal Antonio Palocci (ex-ministro de Lula e Dilma), com o auxílio de seu assessor parlamentar Branislav Kontic, que "mantinham contato direto com Marcelo Odebrecht, auxiliado por Paulo Melo, a respeito da instalação do espaço institucional pretendido pelo petista".
De acordo com os procuradores do Ministério Público Federal, valores destinados a Glaucos da Costamarques - primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula -, por sua atuação na compra do terreno para o Instituto Lula, foram repassados para o ex-presidente na forma da aquisição da cobertura contígua à sua residência em São Bernardo de Campo.
A denúncia aponta que R$ 504 mil foram usados para comprar o apartamento vizinho à cobertura de Lula, em São Bernardo. A nova cobertura, utilizada pelo ex-presidente, foi adquirida no nome de Costamarques, "que atuou como testa de ferro de Luiz Inácio Lula da Silva".
As investigações indicam "que nunca houve o pagamento do aluguel até pelo menos novembro de 2015".

Os advogados de Lula negam taxativamente que ele tenha recebido propinas da Odebrecht.
O Tempo

sexta-feira, 28 de julho de 2017

América vence o Juventude e amplia vantagem na liderança da Série B

Com um gol de pênalti convertido pelo atacante Bill no primeiro tempo, o América venceu o Juventude por 1 a 0, na noite desta sexta-feira, no Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias-RS, e aumentou sua vantagem na liderança da tabela de classificação da Série B. O alviverde chegou aos 33 pontos, cinco a mais que o Guarani, vice-líder, que enfrenta neste sábado o Londrina, no Estádio Brinco de Ouro, em Campinas.
O triunfo sobre o Juventude aumentou para onze partidas a invencibilidade do América na Série B. A equipe do técnico Enderson Moreira tem  sete vitórias e quatro empates e ainda  se destaca nas estatísticas da competição com a melhor defesa, apenas dez gols sofridos, e o segundo melhor ataque,  balançou as redes adversárias 22 vezes.
Na próxima rodada, marcada para terça-feira, dia 1º de agosto, o América volta a jogar no Estádio Independência, contra o Londrina. Para esse confronto, o Coelho não vai poder contar com o volante Zé Ricardo e o zagueiro Rafael Lima, que na noite desta sexta-feira levaram o terceiro cartão amarelo.
Sem o meia Ruy e o lateral-direito Norberto, lesionados, o técnico Enderson Moreira improvisou o volante Juninho na ala direita e entrou com o também volante Neto Moura no meio-campo. O América criou as melhores chances do primeiro tempo e  abriu o placar aos 11 min. O atacante Luan entrou na área e foi derrubado pelo zagueiro Domingues. O atacante Bill cobrou no canto direito para abrir o placar e marcar o seu terceiro gol na Série B.

Na etapa complementar,  o América ainda contou com a sorte para não sofrer o gol de empate aos 25 min. Depois de uma boa jogada do atacante Ramon, a bola sobrou livre para o também atacante Caion, que chutou na trave. Apostando nos contra-ataques, a equipe alviverde tentava valorizar a posse de bola para tentar o segundo gol nas jogadas de contra-ataque. Os comandados do técnico Enderson Moreira souberam suportar a pressão da equipe gaúcha para assegurar o resultado.
O Tempo

BH recebe nesta sexta Festival do Queijo Minas Artesanal

Para honrar a tradição do queijo minas artesanal, reconhecido mundialmente, o 1º Festival do Queijo Minas Artesanal de leite cru, na Serraria Souza Pinto, em Belo Horizonte, vai reunir, desta sexta-feira (28) a domingo, produtores das sete regiões oficialmente reconhecidas pelo Estado: Araxá, Campos das Vertentes, Canastra, Cerrado, Serra do Salitre, Serro e Triângulo Mineiro.

“O queijo mantém as características de produção artesanal, usando mão de obra familiar, não permitindo nem a produção em alta escala, nem com leite pasteurizado. Alguns fatores são decisivos para a sua unicidade, como o clima ameno, altitude elevada, pastos nativos, águas serranas e o uso do leite de vaca fresco e cru”, explica o superintendente técnico da Faemg, Altino Rodrigues Neto. Muitos especialistas também associam o sucesso da iguaria ao chamado “pingo”, fermento lático nativo retirado da produção queijeira.

O festival também será uma oportunidade para o público de Belo Horizonte conhecer o melhor queijo do mundo, o senzala. Produzido por Marly Leite na fazenda Caxambu, em Sacramento, no Alto Paranaíba, o queijo obteve o primeiro lugar no Salão Internacional do Queijo da França, em Tours, no mês passado. O Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal não permite a livre circulação de queijos feitos de leite cru. “O problema é que não há lei que nos respalde”, disse Marly. (Com agência)


PROGRAMAÇÃO


Exposições, degustações e atrações gastronômicas:
Sexta: das 19h às 23h
Sábado: das 12h às 22h
Domingo: das 10h às 18h

Escolha do Melhor Queijo:
Sábado: a partir das 14h, votação do público
Domingo: a partir das 12h, premiação dos ganhadores

Local: Serraria Souza Pinto (Av. Assis Chateaubriand, 809, Centro, BH)

Ingressos: R$ 10 (inteira); R$ 5 (meia)
O Tempo

Príncipe William e Kate não dão aparelhos eletrônicos para os filhos

Hoje é cada vez mais comum - até inevitável - vermos crianças novas andando por aí carregando celulares e outros aparelhos eletrônicos. Não dentro da residência real do príncipe William e de da duquesa Kate Middleton. O casal optou por proibir seus filhos, o príncipe George e a princesa Charlotte, de usaram eletrônicos. O objetivo é que as crianças tenham uma infância 'tradicional', brincando com brinquedos e passando tempo ao ar livre no palácio de Kensington.
Em entrevista para a revista norte-americana Us Weekly, uma fonte próxima à família real britânica disse que o casal quer dar aos dois uma infância o mais próximo do normal, assim como a princesa Diana fez com William e seu irmão, Harry. "O casal acredita que aparelhos eletrônicos são ‘brinquedos’ de gente grande, e, como tiveram infâncias ao ar livre, priorizam isto para os filhos. Eles criam os príncipes sem aparelhos eletrônicos e com brinquedos 'normais', além de muitas atividades ao ar livre", disse a fonte.
"Eles são uma família muito normal e querem que as crianças cresçam fora dos muros dos palácios reais. Kate e William querem que os filhos convivam com todos os tipos de pessoas e sejam cidadãos normais", completou. George adora todos os brinquedos que têm rodas, como carros, aviões e trens. Já Charlotte é apaixonada pelo universo das princesas da Disney.

George, atualmente o 3º na linha de sucessão ao trono do Reino Unido, completou quatro anos de vida recentemente e se prepara para entrar na escola. Irá estudar na tradicional Thomas's London Day Schools, famosa por dar educação a membros da realeza e milionários londrinos.
O Tempo

CBF realiza curso junto às federações para padronização da arbitragem

O controle de uma partida de futebol passa pelas decisões técnicas adequadas tomadas pela arbitragem durante os 90 minutos. Para isso, é fundamental um trabalho em equipe e uma comunicação clara entre a equipe de arbitragem. Com o objetivo de padronizar os critérios durante os jogos do Campeonato Brasileiro e facilitar o diálogo entre os árbitros, a Comissão de Arbitragem  da CBF (CA-CBF) utiliza novas ferramentas para o desenvolvimento da arbitragem brasileira junto à Escola Nacional de Árbitros de Futebol (ENAF).

VIDEOCONFERÊNCIA

Em trabalho conjunto com as 27 federações, a Comissão de Arbitragem vem promovendo debates com os árbitros brasileiros através de videoconferência. Iniciadas no dia 20 de julho, as reuniões foram conduzidas pelo Presidente da CA-CBF, Marcos Marinho, e ministradas pelo Diretor da ENAF, Alício Pena Júnior, com participação de Ana Paula Oliveira, Cláudio Cerdeira, Ricardo Almeida e José Roberto Wright.

– É uma iniciativa pioneira com relação à arbitragem na CBF. Uma ação solicitada pelo Presidente Marco Polo, desenvolvida por toda a estrutura da arbitragem da CBF. Analisamos as maiores dificuldades encontradas pelos árbitros e com os vídeos das decisões nas nossas competições estamos trabalhando o aprimoramento que está sendo desenvolvido com as 27 federações. Estamos com grupos de até cinco federações participando dessas videoconferências com a apresentação de vídeos, os árbitros emitindo suas opiniões e seus conceitos, buscando exatamente isso: aprimoramento, melhoria, padronização e uma elevação no nível de atuação dos nossos árbitros nas competições coordenadas pela CBF – analisou o Diretor da ENAF, Alício Pena Júnior.

Após a análise do desempenho da arbitragem nas primeiras rodadas do Brasileirão, o material didático da aula com análise de casos foi desenvolvido com a colaboração da Central de Análise de Desempenho. O conteúdo reforçou pontos específicos como: "conduta violenta", "situação de mão" e "faltas táticas". Além da análise técnica dos lances, o posicionamento, postura dos árbitros e leitura tática de jogo foram destacados nos encontros à distância.

– Essa medida já estava prevista. Depois que atingíssemos determinado número de rodadas, nós faríamos um reforço daquilo que foi colocado no início da temporada em relação à aplicação de regras, conceitos... Nós vimos ao longo das competições, alguns conceitos que precisariam ser reforçados. É isso que estamos fazendo com todas as federações. Uma nova ferramenta que estamos utilizando e está sendo bastante útil para gente estar melhorando as pessoas na qualidade da interpretação da regra – afirmou Marcos Marinho.

Temas abordados:

1 - Entradas / Disputas - Imprudência, Temeridade, Jogo Brusco Grave, Conduta Violenta
2 - Mãos
3 - Faltas táticas
4 - Posicionamento - Deslocamento, Antecipação, Conhecimento tático
5 - Agilização dos reinícios de jogo
6 - Controle de jogo - combate às reclamações e atitudes antidesportivas
7 - Cores e utlização de uniformes
8 - Confecção de súmulas e relatórios

IMPLEMENTAÇÃO DO BASTÃO

Em campo para auxiliar as tomadas de decisão, o árbitro adicional ganhou um novo instrumento de trabalho. Para aprimorar a comunicação entre o quarteto, o bastão contém um bip que, quando acionado, emite um alerta ao árbitro principal. Presidente da Comissão de Arbitragem, Marcos Marinho, acredita que a nova ferramenta contribuirá para a dinâmica do espetáculo.

– A mesma coisa que o assistente utiliza para avisar o árbitro de um lance importante, os adicionais também estão usando esse bastão em que eles acionam através de um bip. Algum lance que ele tenha visto e o árbitro não tenha observado, o adicional vai chamar a atenção do árbitro. É um instrumento que assessora o árbitro com relação à comunicação de um lance que seja rápido para que ele possa tomar a decisão de uma forma mais correta possível – explicou o Presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Marcos Marinho.

Planejamento do primeiro ciclo de debates com os profissionais das 27 federações:

20.07 – 16h00 às 18h00 - Federações: AP/RO/RR

21.07 – 10h30 às 12h30 - Federações: AM/AC/PA/TO/MA

21.07 – 16h00 às 18h00 - Federações: PI/CE/RN/PE/PB

25.07 – 10h30 às 12h30 - Federações: AL/BA/SE/ES/GO

25.07 – 16h00 às 18h00 - Federações: DF/MS/MT/MG/RJ

27.07 – 16h00 às 18h00 - Federações: PR/RS/SC/SP

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Operação combate esquema que causou prejuízo de R$ 20 milhões em Minas

Foi deflagrada nesta quinta-feira (27) a operação especial de fiscalização "Crime da Moda", coordenada pela Secretaria de Estado da Fazenda de Minas Gerais (SEF/MG), em parceria com o Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG) e a Polícia Civil (PC).
O objetivo é desarticular um esquema de sonegação fiscal praticado por distribuidores e atacadistas estabelecidos em Itaúna, Montes Claros e Contagem (no entorno da CeasaMinas). O prejuízo causado aos cofres públicos é estimado em R$ 20 milhões.
A ação, desenvolvida no âmbito do Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira), é um desdobramento de investigações promovidas a partir de trabalhos anteriores realizados por essa força-tarefa, nas operações "Concorrência Leal" (2013) e "O Dono do Mundo" (2014 e 2015). Estas operações resultaram, à época, na prisão de empresários ligados às irregularidades.
O foco dessa nova etapa, cujos alvos são três empresas atacadistas instaladas nos municípios de Itaúna, Montes Claros e Contagem, além de cinco residências (quatro em Itaúna e uma em Belo Horizonte), é apurar a real movimentação de mercadorias promovidas pelas empresas, que atuam deixando de recolher o imposto e “fabricando” créditos frios, beneficiando empresas compradoras dentro do esquema investigado.
Os estabelecimentos investigados são suspeitos de assumir o papel de intermediários na simulação de transações comerciais com empresas de fachada ou com atividades paralisadas, muitas delas sediadas fora do estado de Minas Gerais. O intuito era fornecer créditos de ICMS a terceiros ou simular o recolhimento antecipado do imposto devido por Substituição Tributária.
As buscas também objetivam identificar bens patrimoniais dos envolvidos, que possam garantir os créditos tributários já constituídos, e, se for o caso, subsidiar a caracterização da ocorrência de crime de lavagem de dinheiro.

Participam da operação 30 servidores da Receita Estadual, contando com o apoio de dois promotores de Justiça, dois delegados e 36 policiais civis. O Cira é composto por representantes da Secretaria de Estado de Fazenda (SEF/MG), Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Advocacia-Geral do Estado (AGE) e Polícia Civil.
O Tempo