domingo, 28 de fevereiro de 2021

Sem liberdade de expressão não há democracia

 A impunidades por crimes cometidos contra jornalistas, é uma ameaça que afeta todas as sociedades.Essa ameaça exige vigilância de todos.Devemos nos unir para proteger a liberdade e a segurança dos jornalistas.A Unesco registrou 99 mortes de jornalistas em 2018.



Portal de Brandemburgo - Berlim



Portal de Brandemburgo, em Berlim. O Rei Frederico Guilherme II, da Prússia, mandou construir o monumento, que ficou pronto em 1791.

O Portal de Brandemburgo é um dos monumentos mais importantes da Alemanha e mais simbólicos da história do século XX. Além de ser uma obra prima da arquitetura alemã, ele é símbolo da separação das duas Alemanhas e, após a queda do muro de Berlim, assumiu a posição de marco oficial da reunificação alemã.
No século XVII, a cidade de Berlim já procurava se fechar como maneira de se proteger. Mas, somente na segunda metade do século XVIII, no ano de 1788, que o rei Frederico Guilherme II, da Prússia, ordenou a reestruturação da cidade e a construção completa do portal, que só ficou pronto em 1791.Naquela época, as vias expressas por debaixo do portal davam acesso direto do palácio aos jardins reais. Sendo que as pessoas que não eram da nobreza não podiam utilizar as passagens internas, restritos às duas pistas externas abaixo do portal.

O Jovem e a Politica


No nosso país de hoje posso dizer que possuímos quatro poderes, sendo eles, poder executivo, poder legislativo, e o poder judiciário, pois a verdade que nós possuímos um quarto poder, sobrepondo aos três poderes, que é o poder da política.
Sendo a política entendido como uma ciência de bem servir a sociedade, sem o maquiavelismo que hoje campeia pelo nosso país.
A consciência popular, que já se acostumou administrar a arte e a ciência, apoiaria a entrada do jovem na política como uma das soluções justas para resolver os nossos problemas políticos, tendo como aliados os governantes e a sociedade.
O jovem brasileiro está adquirindo um status político e social cada vez mais intenso.
Há reflexos, uma vertente otimistas, apontando que a crise do nosso país, encontra uma solução com a entrada dos jovens na política.
Para que a política brasileira comece a receber mais vida e ter mais futuro, é necessário que começamos a plantar essas sementes.
Há uma preocupação em compreender como os indivíduos desenvolvem as opiniões sobre o mundo político.
Óbvio, os jovens tem que olhar com mais atenção o papel deles na sociedade.
O jovem deve lutar mais de uma batalha para se tornar um vencedor(Margaret Thatcher).
Infelizmente, eles se encontram afastados da vida política do país, o que é muito ruim, eles representam o futuro.
Para alguns analistas políticos, há diferenças, já que a maioria dos políticos são analógicos, sendo a juventude digital.
O jovem passou a ver a política como algo sem importância, precisam ser motivados, a pensar diferente, hoje, o país respira política para todos os lados.
Afinal a política é a construção do futuro coletivo.
Sendo a escola um agente de transformação social, portanto, o jovem é e será o centro dessa transformação política.
Outro dia, em uma conversa com um jovem, perguntei a ele o que achava da política.
Respondeu que se interessou por ela muito tempo, até descobrir que ela não se interessava por ele.
Que não entendia de regimes, daí a falta jogo de cintura em política.
Só sei que o capitalismo é a exploração do homem pelo homem.
Finalizou a conversa dizendo que na vida algumas vezes você ensina e todos os dias você aprende, foi enfático; "cada povo tem o governo que merece".
Um grande jornal de circulação nacional, mostrou uma pesquisa sobre o interesse dos jovens na política.
Eles demonstraram muito interesse, mas disseram que falta incentivo.
Os partidos não tratam a juventude como prioridade.
A velha política não da espaço para os novos, razão pela qual os jovens se sentem desestimulados e desinteressados.
Se tiver o apoio da sociedade, o jovem será com certeza, o ponto de equilíbrio da transformação do país.
O mundo todo, hoje, busca a purificação do sistemas governativos.
Há uma guerra contra o vírus da corrupção.
Esse será um grande desafio a ser enfrentado pelos jovens.

Cristóvão Martins Torres

O efeito da nova direita no Brasil


Ainda me lembro das primeiras aulas de Direito Penal na faculdade, em que se falava muito sobre o Estado como ente legitimador em relação aos que cometiam atos delituosos, que, se condenados, cumpririam pena para que fossem “reeducados”. Referia-se, então, aos presos como “reeducandos”, que vem do verbo reeducar, ou seja, tentar educar novamente alguém que se perdeu diante dos valores previstos em lei, que na realidade legal significa conter o mínimo de moral e conduta que deve ter um cidadão.Muitos se mostram indignados com a estrondosa subida da direita em todos os países do Ocidente, pelos mais variados motivos. É sempre bom lembrar que o “Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães” tinha como inspiração o modelo comunista soviético, a meta em si era o coletivismo, o livre pensar foi abolido, para empreender era preciso seguir os ditames do Estado.Foram então criadas as SA, milícias paramilitares que tinham a função de sufocar qualquer oposição. Portanto, isso denota pura mentalidade esquerdista. Prova disso é a cartilha esquerdista agindo hoje na tirania de esquerda da Venezuela, com sua SA, uma vez que cidadãos são executados por milícias similares. A grande confusão que ocorre ao se afirmar que o nazismo era de direita se deve ao fato de a Alemanha ter entrado em guerra com a URSS, o que fez com que, após a II Guerra Mundial, a esquerda marotamente tentasse se distanciar do nazismo e antagonizá-lo. Na verdade, ambos praticavam sistematicamente perseguição aos judeus e minorias, campos de concentração e os gulags (campos de trabalhos forçados), enfim, o nazismo é na verdade o irmão siamês do comunismo.O Brasil, na sua história, nunca teve um partido conservador. Todos que estavam e agora estão aí são partidos criados por ex-comunistas, o que na base ideológica sempre coloca o coletivismo, a consternação com os “oprimidos”, o assistencialismo e o Estado como provedor, o que culminou com uma Constituição de 1988 esquerdista, que paralisou o país e o transformou, pela base ideológica esquerdista de todos os partidos existentes, neste país inviável, em que o crime e o discurso socialista se uniram para atingirmos o caos.Ouço de pessoas humildes que “o Brasil precisa começar do zero, ser construído de novo”. Ora, isso já coloca um partido ou um candidato que prega a ordem, a militarização ideológico-social, uma legislação enérgica, uma moral social no centro do imaginário popular. As pessoas deixaram de sentir vergonha de se expor, de assumir que querem mudanças fora da cartilha esquerdista, o que causa um verdadeiro temor aos ex-exilados que criaram e fundaram os partidos que tinham rótulo de direita, mas eram na realidade de esquerda. Não estou aqui defendendo a nova direita, ou massacrando os esquerdistas, apenas constato e tento, do ponto de vista político, fazer uma leitura das vozes que emanam do povo, vozes das ruas, das comunidades, vozes de gente humilde, ou seja, “o Brasil precisa começar do zero, ser construído de novo”, eu particularmente diria as palavras do texto penal, lá da época da faculdade, fazendo uma analogia: “O Brasil precisa ser preso, tornar-se um reeducando, para que possamos construir uma sociedade ética, justa, com jovens dotados de princípios morais, patriotas, varrendo todos os corruptos...”. Enfim, alguém que nos salve deste caos...Temos saída ?

Fernando Rizzolo é Advogado, Jornalista, Mestre em Direitos Fundamentais

Estátua de Sherlock Holmes em Baker Street(Londres)


Estátua do famoso detetive Sherlock Holmes, em Baker Street (Londres)
Personagem de ficção da Literatura  Britânica.
Sherlock Holmes ainda hoje é um dos mais atraentes personagens dos romances policiais. Carismático e astuto, fez do método científico e da lógica dedutiva suas melhores armas.


O Muro de Berlim


Em 1961, durante a guerra fria foi erguido o muro de Berlim para separar a parte que ficou sob a administração da União Soviética, das partes que ficaram sob a administração dos Estados Unidos, Inglaterra e França.
De um lado ficou a Alemanha Oriental do outro lado a Alemanha Ocidental.
Assim nasceu o muro de Berlin, que separou o povo de um país por 28 anos.
De 13-08-1961 à 09-11-1989


"Pé esquerdo na parte da ex-Berlin Oriental e pé direito na parte da ex-Berlin Ocidental.
Em toda Berlin, onde existia o Muro, tem uma marca no chão. De um lado era Berlin Oriental e do outro lado era Berlin Ocidental".






Em 9 de novembro de 1989, com a crise do sistema socialista no leste da Europa e o fim deste sistema na Alemanha Oriental, ocorreu a queda do muro. Cidadãos da Alemanha foram para as ruas comemorar o momento histórico e ajudaram a derrubar o muro. O ato simbólico representou também o fim da Guerra Fria e o primeiro passo no processo de reintegração da Alemanha.  

Londres e suas Facetas, Visita Eletrizante


"Parlamento junto ao rio Tamisa"

"Acertando o relógio com o Big Ben de Londres"

No passado a cidade foi palco de importantes transformações culturais e dita tendências até hoje.
Caminhar pelas ruas de Londres é uma verdadeira aula de história e liberdade.
É preciso de muitos dias para admirar um pouco de tudo.
Não há como deixar de ir e vibrar com uma visita eletrizante.

Perdemos o Encanto de Cidade Rural


Quem chega à cidade fica impressionado com a quantidade de carros nas ruas.
As ruas já são estreitas, e com carros estacionados dos dois lados das vias o espaço para o tráfego fica muito reduzido. Resultado: o trânsito fica um caos.
Parece que andar a pé faz parte do passado.
No passado, distâncias que hoje são percorridas em automóveis eram percorridas de maneira saudável: a pé.
Por que tanta circulação de automóveis em nossas ruas?  Compromissos urgentes ou ônus do progresso?
O fato é que o Prata perdeu aquele encanto de cidade rural.
Aquele encanto bucólico!
E ao se locomoverem cada vez mais de automóvel, as pessoas não se encontram pelas ruas como antes; assim, aqueles agradáveis bate-papos de outrora estão sendo substituídos pela comunicação através das redes sociais...
Desde a entrada da cidade até o seu final é carro para todo lado.
O carro, que em princípio traz mobilidade, em excesso significa exatamente o contrário.
Dizem que as pessoas são seres de hábitos. Parece que muitas pessoas estão usando os carros por puro hábito.
O excesso de carros dificulta o cumprimento do acordo de Paris, cujo objetivo é reduzir as emissões de gases de seus signatários, a  fim de manter em níveis razoáveis a temperatura do planeta.
A fim de reduzir a emissão de gases, na França as autoridades estão solicitando que as pessoas deixem seus carros em casa, optando pelo transporte público.
Na medida em que os carros ganham espaço nas ruas da cidade as pessoas perdem saúde e a oportunidade de se comunicar.

Cristóvão Martins Torres

O Fantasma da fraude


Quando escrevo tento encontrar a palavra certa para expressar meus sentimentos.

Certa ocasião uma professora de português me disse; você precisa de um pedaço de papel um lápis e uma borracha para escrever seus textos.
Se arrepender de algum texto que escreveu, use a borracha.
Queria ter usado a borracha para apagar a palavra fraude, que escrevi agora.
A fraude no contexto da sociedade sempre existiu, varia de intensidade e amplitude.
No sistema social, encontra-se o ser humano com suas imperfeições.
Cada indivíduo tem uma historia, e apresenta estímulos do ambiente em que vive, recebendo influencia desse meio.
O homem é produto do meio em que vive.
Para viver em sociedade ele tem sua conduta e comportamento.
O sistema em que vive é estimulador de comportamentos.
O homem produz cultura e vice versa.
No nosso país, a cultura vem recebendo contribuições de várias origens, o que provoca a diversidade cultural do nosso povo.
Os mecanismos de esperteza e malícia foram criados ao longo dos anos, o que faz o trabalho ser muito desgastante ao invés de fonte de riqueza.
É aquela historia, quem trabalha muito não tem tempo para ganhar dinheiro, dizem por aí.
O apego a posse, o jeitinho e o desejo de levar vantagem em tudo são as características atuais, tá na moda.
Há pessoas que conseguem resultados positivos transgredindo a lei.
Desenvolvem-se a moral do oportunismo e a moral da integridade.
Dizem que a integridade tem poucos seguidores, muitos a elogiam, mas poucos a praticam.
Falta descobrir a verdade dos direitos e deveres para eles.
Acho que o desenvolvimento político e econômico depende do moral e social.
Apesar de números alarmantes sobre a fraude, divulgados pela imprensa, temos obtidos resultados positivos desse princípio intolerável.
Muito infeliz quem a pratica.
É como diz a musica; cada um de nós compõe a sua historia.
Tenho como principio que a ética é o pai da prosperidade, ela é muito importante na vida das pessoas, o seu carro chefe.
Fui criado dessa forma; o que não é meu, não me pertence.
Respeitar a si mesmo e aos outros.
Meu saudoso pai sempre nos dizia; a saída é pela porta, parece óbvio, e realmente é.
Precisamos começar mudando a "nós mesmos".
Não consigo ver a vida de outro modo, a não ser esse, mesmo sabendo que o Brasil tem muito a caminhar na direção da ética.

Cristovão Martins Torres

O Circo Chegou, Respeitável Público


O circo foi a primeira forma de expressão artística que existiu no mundo, por isso não pode morrer.
Nas crianças estimula o sonho e a fantasia, nos adultos reanima as emoções e resgata a paixão pela vida.
É um universo de diversões, onde impera a magia e a criatividade; um palhaço conta uma piada já pensando na outra e com alegria brota um sorriso no rosto de uma criança.
Dentre os números mais difíceis está o malabarismo, que exige muito treino dos artistas.
Tenho uma relação de amor muito grande com o circo, porque na minha infância ele foi o instrumento de informação artística, educacional e social para mim.
Lembro-me quando o circo chegava no prata, era só alegria.
Ele nos fazia sair da rotina e criar uma curiosidade de conhecimento artístico e informação muito grande.
Durante sua permanência na cidade, era muito comum a meninada acompanhar o palhaço de perna de pau pelas ruas, para ganhar entrada franca nos espetáculos.
O refrão mais cantado pelos meninos era; hoje tem espetáculo tem sim senhor...hoje tem marmelada tem sim senhor...eu vou ali e volto já...vou apanhar maracujá!
Olha o sol...olha a lua...olha o palhaço no meio da rua!
Além de muita diversão os espetáculos circenses tinham sempre uma peça teatral, que nos proporcionavam um crescimento cultural muito grande.
Minha infância foi com sonhos de imaginação de criança; andar de bicicleta, jogar futebol, andar a cavalo, soltar pipas, jogar sinuquinha, jogar birosca e finca,  andar de patinetes, nadar no rio prata, tomar ducha nas cachoeiras, ir aos circos, etc.
Tivesse eu que voltar ao ponto de partida, afirmo que faria tudo de novo quanto fiz até hoje, passaria pelos mesmos caminhos.
Embalados pelos sonhos da infância, na juventude mudei os meus rumos e criei o hábito da leitura, ler bons livros é o meu divertimento principal até hoje.
Com os artistas circenses aprendemos a lição; pelo fato de viajarem muito, interagem rápido e bem com as pessoas, tratam todas elas com a devida importância, onde sua verdadeira recompensa são os aplausos.
Como se dissessem; esqueçam os sentimentos e se concentrem no modo como tratam uns aos outros.
Como as ações humanas são impulsionadas pelas consequências de comportamento, faz muitos anos que passo meu aniversário em um circo, neste dia gosto de me presentear assistindo a um espetáculo circense.
Hoje, se ficar muito tempo sem assirtir um espetáculo circense, evidente que alguma coisa vai estar faltando em minha vida.
E é algo muito importante, óbvio o circo.

Cristóvão Martins Torres

As Redes Sociais da Minha Adolescência


Na época da minha adolescência não existia ainda a Internet.
As nossas redes sociais não eram facebook, blogs, twitter, Orkut, e-mail etc.
Nossa rede social era outra: os pontos de encontro que frequentávamos, onde discutíamos problemas diversos.
Escola, esporte, política, trabalho, vida particular, mulher, eram os temas mais ouvidos e debatidos nesses encontros.
Às vezes um determinado assunto era debatido por várias horas, com a participação de todos os presentes.
Não tínhamos nenhum interesse especial. Os encontros eram casuais. Muitas vezes chegávamos a um lugar e a turma já estava formada; nada programado.
As reuniões eram formadas por estudantes, professores, fazendeiros, comerciantes, profissionais liberais, funcionários públicos, funcionários de empresas etc, fazendo assim que os encontros tivessem representadas várias classes sociais.
Não tínhamos identidades semelhantes.
Para mim foi uma oportunidade de aprender com pessoas mais experientes e também de fazer valer minhas ideias e opiniões.
Desses encontros trouxe vários ensinamentos que agregaram valor à minha vida.
O interessante era que comentávamos vários fatos mas não nos envolvíamos com nenhum deles.
Compartilhávamos ideias. Os encontros eram nossa fonte de contato.
Toda tarde nos reuníamos, e o público era intenso, com muita participação das pessoas.
A nossa rede social não era online; estávamos conectados com as pessoas e com os donos dos estabelecimentos, que sempre estavam muito bem informados em vários assuntos e sempre nos recebiam muito bem.
Nossa rede social se reunia na sapataria do Zé Coló, na barbearia do Jarbas, na alfaiataria do Edgar, na loja do Evandro, no barzinho Sô Zé...
Como verdadeiros “provedores”, esses comerciantes viabilizavam a rede, mas também fiscalizavam o seu conteúdo, às vezes chamando a atenção de alguém por um comentário fora do contexto.

Cristóvão Martins Torres

A educação vem do Berço


As boas maneiras precedem de boas intenções, criados sem limites, não sabem viver em sociedade
Proibições e limites permitem à criança, mais tarde praticar ética na conduta.
Pedir desculpas, agradecer, ser gentil, demonstrar reconhecimento, são fatores que contribuem para o início do respeito.
Educação no sentido amplo inclui cortesia e polidez.
Agressão a professores, grosserias, ofensas verbais, rabiscar paredes, jogar papel no chão e falar ao celular faz parte do dia a dia dos alunos, em muitas escolas públicas no Brasil, hoje.
Envergonham a todos com tanta falta de educação.
O regimento interno das escolas, não permite expulsão de alunos por uma indisciplina.
Hoje, o pai que não mandar o filho para escola, responde a processo.
Alguns alunos não reconhecendo a importância da escola em suas vidas, vão contrariados, e descontam toda a sua raiva nos professores e na escola.
Antes a educação era opcional, o pai mandava o aluno para escola se quisesse, não existia lei obrigando a criança de estudar.
Na minha época de estudante fazíamos bagunça, mas não éramos mal educados, respeitávamos o professor.
Tínhamos alguns professores como nossos ídolos, alguns foram tão marcantes que lembramos, deles até hoje.
O pai era mais presente na vida do filho, o meu queria saber quem eram os meus amigos, filhos de quem, se estudavam, para onde íamos tínhamos que dar satisfação, etc.
No final de um bimestre queria ver as notas, se fazíamos alguma coisa errada na escola, chamava nossa atenção.
Tenho uma lembrança das refeições que fazíamos junto com nossos pais; se tinha frango na mesa sempre deixávamos a melhor parte para eles, o peito, a coxa.
Comíamos o pé ou pescoço do frango.
Hoje fazemos o contrário, deixamos a melhor parte para nossos filhos, continuamos a comer o pé e o pescoço do frango.
Acho que o pai de hoje, até pelo tipo de vida que leva, a vida está exigindo muito das pessoas, às vezes não tem tempo de cumprir o seu papel.
Estão deixando para a escola o papel de educador.
Os pais não podem esperar que a escola ou a polícia, ensina seus filhos, sobre ética e respeito.
Entendo que a escola não substitui o lar por mais que conte com pessoal competente e confiável.
Os pais, estes atores sociais tem em comum a persistência de não desistir de seus filhos.
Não vale dizer que neste país o mau exemplo vem de cima.
O mau exemplo deve servir de referencia, para ressaltar que não vale a pena viver, assim.
Plagiando o escritor Içami Tiba,’’Quem ama educa’’.

Cristóvão Martins Torres

País precisa rever história, alerta Roberto Gambini

O TEMPO

TIRADENTES. “A alma brasileira está doente, com sofrimento, fragmentada, mutilada porque falta um pedaço dela. É uma alma que está sofrendo e ninguém está ouvindo porque ela está chorando em todos nós e não sabemos qual é o nome dessa dor”. A frase é do psicoterapeuta Roberto Gambini, que falou sobre a cultura e as raízes brasileiras durante o Fórum do Amanhã, que termina neste domingo (27), em Tiradentes, a 190 km de Belo Horizonte. De acordo com Gambini, o Brasil é um paciente e precisa de tratamento para saber que direção tomar. Assim, o especialista disse que o país precisa ser tratado de um trauma.
Gambini classificou a história do Brasil como trágica. “Nascemos da união de opostos”, disse o médico referindo-se à junção dos portugueses colonizadores aos índios e, depois, com a vinda dos negros. Com a cristianização dos índios pelos portugueses, e, ao mesmo tempo, com o desejo dos colonizadores pelas índias, Gambini disse que nasceu um povo misto. O drama acontece, segundo ele, porque o filho dessa união não se identificou nem com o pai e nem com a mãe. “Como o menino vai se identificar com a mãe derrotada, que era como ela era vista. A interioridade da mãe (índia) foi negada (pelos portugueses) como se ela fosse vazia”, disse. É nesse ponto que o especialista acredita ter começado um “povo zé ninguém”, que não sabia o seu eixo. “Depois, as negras também foram incluídas como objeto de prazer”, acrescenta.
Nessa espécie de negação dessas culturas – indígena e africana – pelo colonizador que os enxerga como animais, é que Gambini disse que o Brasil quer sonhar. Mas antes de saber para onde vai, o país tem que saber que sua consciência está muito pequena. Assim, ele acredita que “se adotarmos uma atitude de olhar para nossa história, ela é a plataforma de lançamento de utopia”. “Não temos que procurar ideias extravagantes. Está tudo aqui (no Brasil). Temos ética, valores de vida, tudo está aqui em nós”, afirmou.

Para Gambini, é preciso que seja feito um reconhecimento da destrutividade. O segundo ponto é a reparação, referindo-se à dívida que a sociedade branca tem com os escravos e índios. “A dívida não está calculada”, criticou.
O Tempo

sábado, 27 de fevereiro de 2021

Várias Apresentações no Teatro do Europa Park


O segundo maior parque temático do mundo, Europa-Park em Rust – Alemanha, fica estrategicamente bem posicionado entre as fronteiras da França, Suíça e Alemanha...
Bem no centro da Europa...
Os parques de diversões representam o mundo da fantasia onde podemos esquecer da vida e reviver bons momentos de brincadeiras, aventuras e diversão.






INAUGURADO EM 1975, O EUROPA-PARK ESTÁ SITUADO EM RUST, NA ALEMANHA


Alemanha, Rússia, Itália, Escandinávia, Portugal, Espanha, França, Holanda, Suíça, Grécia, Inglaterra, Áustria e Islândia, são locais representados no Europa Park...
Desde brinquedos e filmes, passando pelos restaurantes típicos, tudo é fiel ao lugar de origem...
Uma Montanha Russa que termina na água, dando banhos nos visitantes...
Mas além da atlântica, o parque tem ainda muitas Montanhas Russas, de vários tipos, formatos e tamanhos...
O parque é imenso, um dia é pouco para conhecer tudo...
São 5 Hotéis, também, dividido por países e uma extensa Área de Camping, estacionamento amplo, tudo isso para atender aos visitantes, turistas...
O Europa Park, recebe turistas de todo o planeta...










Europa Park, no Centro da Europa


Uma mistura de aventura e diversão, no Europa Park... 
São 13 zonas temáticas que reproduzem países europeus com sua típica arquitetura, vegetação e gastronomia, em uma área de 90 hectares, muita coisa pra se ver...
Mais de 100 shows e atrações, dentre elas 11 montanhas-russas que garantem diversão para valer, emoção e momentos inesquecíveis...

 parque é tão grande, que existe uma linha de trem circular, que leva os visitantes de um ponto a outro em poucos minutos, já que as caminhadas podem levar bastante tempo...
Ótimas atrações, em especial as montanhas russas... 
Brinquedos para todas as idades...
Muita diversão, brinquedos para todos os gostos...
Diversão com a educação e arquitetura europeia...
Cada parte representa um país da Europa..
. Perfeito para adultos e crianças...
Existem ótimos restaurantes...
Com muitas opções de comidas típicas, dos países representados no parque...












O Circo Chegou, Respeitável Público


O circo foi a primeira forma de expressão artística que existiu no mundo, por isso não pode morrer.
Nas crianças estimula o sonho e a fantasia, nos adultos reanima as emoções e resgata a paixão pela vida.
É um universo de diversões, onde impera a magia e a criatividade; um palhaço conta uma piada já pensando na outra e com alegria brota um sorriso no rosto de uma criança.
Dentre os números mais difíceis está o malabarismo, que exige muito treino dos artistas.
Tenho uma relação de amor muito grande com o circo, porque na minha infância ele foi o instrumento de informação artística, educacional e social para mim.
Lembro-me quando o circo chegava no prata, era só alegria.
Ele nos fazia sair da rotina e criar uma curiosidade de conhecimento artístico e informação muito grande.
Durante sua permanência na cidade, era muito comum a meninada acompanhar o palhaço de perna de pau pelas ruas, para ganhar entrada franca nos espetáculos.
O refrão mais cantado pelos meninos era; hoje tem espetáculo tem sim senhor...hoje tem marmelada tem sim senhor...eu vou ali e volto já...vou apanhar maracujá!
Olha o sol...olha a lua...olha o palhaço no meio da rua!
Além de muita diversão os espetáculos circenses tinham sempre uma peça teatral, que nos proporcionavam um crescimento cultural muito grande.
Minha infância foi com sonhos de imaginação de criança; andar de bicicleta, jogar futebol, andar a cavalo, soltar pipas, jogar sinuquinha, jogar birosca e finca,  andar de patinetes, nadar no rio prata, tomar ducha nas cachoeiras, ir aos circos, etc.
Tivesse eu que voltar ao ponto de partida, afirmo que faria tudo de novo quanto fiz até hoje, passaria pelos mesmos caminhos.
Embalados pelos sonhos da infância, na juventude mudei os meus rumos e criei o hábito da leitura, ler bons livros é o meu divertimento principal até hoje.
Com os artistas circenses aprendemos a lição; pelo fato de viajarem muito, interagem rápido e bem com as pessoas, tratam todas elas com a devida importância, onde sua verdadeira recompensa são os aplausos.
Como se dissessem; esqueçam os sentimentos e se concentrem no modo como tratam uns aos outros.
Como as ações humanas são impulsionadas pelas consequências de comportamento, faz muitos anos que passo meu aniversário em um circo, neste dia gosto de me presentear assistindo a um espetáculo circense.
Hoje, se ficar muito tempo sem assirtir um espetáculo circense, evidente que alguma coisa vai estar faltando em minha vida.
E é algo muito importante, óbvio o circo.

Cristóvão Martins Torres